A nova presidência executiva vai ser assumida por Carlos Bernardo e Pedro Arezes, ligados à Universidade do Minho.

O presidente da Câmara Municipal de Guimarães anunciou esta quinta-feira uma nova constituição para o Gabinete de Crise e da Transição Económica do município. A decisão prende-se com a recente nomeação de António Cunha para a presidência da CCDR-Norte e consequente saída da presidência executiva do órgão vimaranense.

Em comunicado, Domingos Bragança esclarece que a nova presidência executiva do Gabinete vai ser bipartida. Assim, o cargo vai ser ocupado pelo ex-vice-reitor da UMinho, Carlos Bernardo, e o atual presidente da Escola de Engenharia da academia minhota, Pedro Arezes.

Para a nomeação de Carlos Bernardo, o edil salienta que “teve em conta o alto nível de competência que a implementação do Plano de Ação para a Transição Económica [de Guimarães] exige”. Relativamente à escolha de Pedro Arezes, Domingos Bragança vê-a como “natural e lógica”, referindo que grande parte dos investigadores ligados ao plano têm base na Escola de Engenharia da UMinho.

Na nota enviada à imprensa, dá-se conta, também, dos restantes responsáveis pelo Plano de Ação do Gabinete de Crise e da Transição Económica, indicados por António Cunha. Estes vão repartir-se pelas medidas previstas: cinco de curto prazo e dez de médio prazo.

Na componente imaterial das medidas, o vereador Ricardo Costa deve coordenar os apoios públicos, apoios especiais do Município e o Quiosque Eletrónico. Raul Fangueiro, da UMinho e Fibrenamics, fica responsável pelos projetos colaborativos e António Vicente, da mesma instituição, vai ser o coordenador do projeto de agricultura sustentável Agrus. Alexandre Mendes, diretor-geral do DTx, Paulo Novais, da UMinho, e António Moreira, do IPCA, vão coordenar os projetos municipais ligados ao empreendedorismo e transformação digital.

Quanto à reabilitação de equipamentos, Pedro Arezes vai liderar a transformação da antiga Fábrica do Arquinho e António Pontes, também da UMinho, o projeto da antiga Fábrica do Alto, em Pevidém. Rui Oliveira, da academia minhota, fica responsável pelo projeto do AvePark e Maria José Fernandes, do IPCA, vai coordenar o projeto da Escola-Hotel na Cruz de Pedra.

Desta forma, o Plano de Ação do Gabinete de Crise e da Transição Económica, elaborado por António Cunha, passa a uma fase de implementação. Segundo Domingos Bragança, o trabalho da nova equipa vai permitir colocar Guimarães “no topo do desenvolvimento empresarial de base tecnológico-científica”.