A principal mensagem é de adoção de comportamentos responsáveis por parte dos alunos e do cumprimento das normas da DGS também no exterior dos campi.

A Comissão de Elaboração e Gestão do Plano de Contingência da Universidade do Minho fez uma carta aberta à comunidade estudantil para que se abstivessem de realizar atividades que não estejam relacionadas com as atividades letivas. O documento surgiu depois de se ter verificado grandes surtos de Covid-19 noutras Instituições de Ensino Superior. O tema foi discutido na reunião ordinária do Conselho Geral desta segunda-feira.

Contando com a preferência de todos em manter a UMinho aberta e as atividades letivas em regime presencial, o pró-reitor para a Qualidade de vida e Infraestruturas alerta que este não é o tempo para promover encontros, convívios, jantares e outras atividades em grupo, que há uma tendência natural a realizar nesta altura”.

Paulo Cruz refere, ainda, ter conhecimento de várias tentativas de “jantares de setenta” por parte de alguns cursos. “Como se deslocam em grupinhos de dez e se sentam em mesas de quatro pensam que não há risco nenhum. As notícias recentes de cidades vizinhas revelam que são focos”, sublinha.

O documento reforça que, “é essencial que todos cumpram as normas e recomendações de proteção, em particular fora do contexto letivo, onde o risco de contágio é superior se não forem adotadas as medidas de proteção nos contactos sociais”.

“Porque queremos manter a universidade aberta, porque queremos manter as atividades letivas em regime presencial, porque queremos garantir o conforto de todos, e porque queremos salvaguardar a saúde dos nossos estudantes, dos nossos professores, dos nossos investigadores, dos nossos trabalhadores e das famílias de cada um de nós, lembramos que este não pode ser tempo para promover encontros, convívios, jantares, ou outras atividades em grupo, colocando em risco a saúde de todos”, aponta a Comissão.

A Comissão de Elaboração e Gestão do Plano de Contingência é composta por Paulo J. S. Cruz, Presidente da Comissão e Pró-Reitor, Alexandre M. C. Carvalho e Pedro R. L. Morgado, ambos professores da Escola de Medicina, Teresa A. Ruão C. Pinto, professora associada do Instituto de Ciências Sociais, Carlos A. S. Menezes, Administrador da Universidade do Minho, António M. V. Paisana, Administrador dos Serviços de Ação Social, Mauro M. M. P. Fernandes, Técnico de informática do Serviços de Comunicações, e Rui J. M. Oliveira, Presidente da Associação Académica.