O Segredo: Atreve-te a Sonhar estreou em agosto nos cinemas portugueses. Depois do livro O Segredo de Rhonda Byrne se ter tornado numa das obras mais vendidas em Portugal, chega aos cinemas a adaptação cinematográfica da obra. Tal como o título indica, o filme apela-nos para a urgente necessidade de sonhar e de encher a nossa mente com pensamentos positivos.

O Segredo: Atreve-te a Sonhar transporta-nos para a vida de Miranda Wells (Katie Holmes), uma viúva com três filhos, que se deixou afundar numa rotina negativa desde que perdeu o seu marido. A perda do seu marido fez com que esta se esquecesse de si mesma, limitando a sua existência a cuidar dos filhos pequenos. A sua vida dá uma reviravolta quando conhece Bray Johnson (Jerry O’Connell) devido a uma coincidência. Bray é um homem que guarda um grande segredo, mas que pela primeira vez enche os dias de Miranda e a da sua família de esperança e cor.

Uma boa forma de definir a história seria dizer que se trata de um enredo que conduz perfeitamente ao clímax. Toda a longa-metragem é feita de mistérios que nos fazem questionar bastantes aspetos e que nos podem levar a conclusões precipitadas. Vamos visualizando flashbacks do passado de Bray, que nos fazem conhecer, um pouco mais, a sua história. No entanto, nunca releva ao espectador o que este quer saber, deixando-o num estado expectante e ansioso.

Mesmo sendo embebido de clichês, o filme aborda temáticas da vida humana bastante importantes. A mensagem é universal, a vida é como se fosse um “íman”. Assim, O Segredo: Atreve-te a Sonhar explica-nos que os nossos pensamentos positivos atraem coisas positivas. Faz-nos perceber, ainda, que muitas vezes se nos permitirmos ver o belo das coisas e se desejarmos de verdade alcançar algo, estamos um passo mais perto de o obter. O que é preciso é treinar a mente.

Sendo escolhidos ao detalhe, todos os cenários parecem encaixar com o estado de espírito das personagens. O espectador rende-se aos ambientes que englobam a casa de Miranda e aos cenários naturais. Sem embargo, quando as personagens se encontram frustradas, todo o meio ambiente envolvente, como a tempestade, substituem essa harmonia parecendo querer ir ao encontro do que elas sentem, ou vice-versa.

Além disso, a banda sonora também acompanha o registo dos cenários. Sempre que há um momento mais feliz, ou um mais triste, a música parece jogar e dançar com o momento. Mesmo assim, confesso ter estado com mais atenção à riqueza visual que a obra cinematográfica nos oferece.

Embora me tenha parecido bastante infantil ao início, percebemos que o filme guarda uma densidade muito maior do que aquela que esperávamos. Aquilo que se revela impactante é mesmo o facto de que O Segredo: Atreve-te a Sonhar carrega uma mensagem extremamente importante para todos.