Com início em janeiro, a primeira das três frases de vacinação contra a Covid-19 vai estender-se até abril.

Marta Temido, ministra da Saúde, apresentou esta quinta-feira o plano nacional de vacinação contra a Covid-19. Em relação às doses, podem ser necessárias mais de 22 milhões. O montante relativo às vacinas pode chegar aos 200 milhões de euros.

Rui Ivo, presidente do Infarmed, avança que existem seis acordos com Comissão Europeia, lembrando que o primeiro foi feito com a Astrazeneca, a 14 de agosto, em que 6,9 milhões de doses serão para Portugal. Nota ainda para as 4,5 milhões de doses da vacina da Johnson & Johnson destinadas a Portugal, aos 4,5 milhões da vacina da Pfizer e das 1,8 milhões de doses da vacina da Moderna.

Grupos prioritários

  1. No primeiro grupo prioritário, constam as pessoas com 50 ou mais anos com patologias graves, profissionais de saúde, mais genericamente, profissionais de serviços críticos – podem incluir-se as Forças Armadas, e os residentes de lares e em cuidados continuados vão ser vacinados nas instituições. Esta primeira fase vai envolver 950 mil pessoas entre janeiro e abril.
  2. Na segunda fase, serão vacinadas pessoas com mais de 65 anos sem qualquer patologia e pessoas dos 50 aos 74 anos com um vasto leque de doenças pré-existentes, desde diabetes, à hipertensão e até obesidade. Nesta fase vão ser vacinadas 1,8 milhões de pessoas.
  3. A terceira fase engloba a “o resto da população”.

Locais de vacinação

A vacinação vai ser feita em mais de 1.200 centros de saúde, mas também nos lares e em unidades de cuidados continuados.

A vacina da Pfizer contra a Covid-19 deverá chegar a Portugal nos primeiros dias de janeiro. A primeira tranche poderá servir para vacinar 300 mil pessoas. À chegada a Portugal, fica armazenada em Coimbra, local que o Governo indicou para o armazenamento geral de todas as vacinas contra a Covid-19. A sua distribuição pelo país deverá ser feita por via terrestre no continente e via aérea para as regiões da Madeira e Açores.