Pearl, o álbum mais reconhecido da cantora Janis Joplin, celebrou no passado dia 11 de janeiro o 50º aniversário. O álbum que engloba algumas das melhores músicas de rock do século passado leva-nos para um mundo à parte onde sentir a música é a única preocupação.

Pearl é composto por 10 faixas, cada uma com a sua magia própria e completamente intemporal, tal como o disco em si. Este é um dos meus álbuns favoritos de todos os tempos, não só por cada detalhe do conjunto, mas pela mensagem que cada música passa. Janis faleceu devido a uma overdose antes do lançamento do álbum, mas isso não impediu que o mesmo fosse lançado e que mostrasse toda a essência de quem foi a grande primeira dama do rock n’ roll.

hojeemdia.com

A compilação começa com “Move Over”, uma música animada que nos faz querer sair dos nossos assentos e dançar até não podermos mais. O tema é a entrada perfeita para o projeto, visto que nos deixa cheios de energia e a chorar por mais.

De seguida temos “Cry Baby”, uma versão da música de Garnet Mimms. Nesta faixa, Janis surpreende-nos com os vocais que parecem vindos de outro mundo. Esta música é das minhas favoritas de todo o álbum e a cantora fez um trabalho de distinção em tornar a música “dela” e não em só mais um cover.

A próxima faixa, “A Woman Left Lonely”, é o contrário das anteriores. Somos bombardeados com a calmaria do instrumental e da voz de Janis durante toda a música. Claro que não seria, de facto, uma música da tão admirada cantora americana se esta não se distinguisse um pouco pelos seus vocais incríveis.

Umas faixas à frente encontramos um dos clássicos de toda a carreira musical de Janis Joplin: “Me and Bobby McGee”. Na minha opinião, esta música é fulcral para toda a constituição de Pearl. Para além de ser perfeita para uma noite de karaoke, é um perfeito balanço de todas as outras músicas constituintes do álbum.

De seguida, somos mais uma vez surpreendidos pela artista com uma música cantada em grande parte acapella e apenas com pequenas batidas de fundo. Esta acabou por se tornar o maior hit de Janis Joplin e chama-se, como muitos devem saber, “Mercedes Benz”. A música é um dos maiores clássicos do rock n’ roll e aconselho vivamente a todos os fãs deste género a irem ouvir.

No fim, somos presenteados com “Get It While You Can”. Nesta faixa, a voz de Janis Joplin é protagonista. Vivemos os mais altos pontos da voz da cantora e somos levados para outro mundo. Não haveria melhor forma de acabar o álbum do que com esta música, que nos incentiva a agarrar todas as oportunidades que temos, pois, a vida é muito curta. De facto, a vida para Janis foi muito curta, tendo sido esta a última música em que gravou um vocal.

A mensagem na maior parte do álbum tem que ver com o amor e com o incentivo para irmos atrás do mesmo com todas as forças que temos. Tal como o nome do álbum, Pearl, este é e vai ser sempre uma grande pérola para o mundo da música.

Em conclusão, não consigo encontrar algo no álbum que não esteja perfeito. Desde o enquadramento das músicas entre si, o conteúdo de cada uma individualmente, até à letra das incríveis músicas. Pearl é um álbum perfeito da cabeça aos pés e merece definitivamente todo o reconhecimento que teve e tem.