Os números publicados pelo INE revelam que o Município Courense foi um sucesso no aumento do emprego e da população ativa. Alto Minho foi ainda caso de sucesso na queda do desemprego jovem.

Os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) registaram um aumento dos postos de trabalho, cerca de 737 postos de trabalho, bem como do crescimento em 14% da população ativa do município de Paredes de Coura. No geral, o Alto Minho teve uma taxa de sucesso no decréscimo do desemprego nos mais jovens.

“Os dados agora divulgados apenas traduzem matematicamente o que já sentíamos e aumentam a nossa preocupação para criar condições de habitabilidade que suportem este crescimento”, afirmou o presidente da Câmara de Paredes de Coura, Vitor Paulo Pereira, em declarações à imprensa. Apesar disso, confessou-se “surpreendido” com os números que se relacionam com a estratégia de desenvolvimento iniciada em 2013. Caraterizou-a ainda como “correta e eficaz”.

De mencionar também que no Orçamento e Plano Plurianual de Investimentos para 2021 estão contemplados 18 milhões de euros para um investimento em três novas indústrias que pertencem a setores inovadores e únicos em Portugal. Além disso, o plano contempla ainda a Estratégia Local de Habituação para que, no prazo de seis meses, as famílias com carências habitacionais possam candidatar-se junto do Instituto de Habitação e Reabilitação Urbanas, IHRU, a obras que lhes permitam melhores condições.

“No âmbito da mesma estratégia em que já vimos a trabalhar há dois anos, ficou também definido que, no prazo de dois anos, será feita a construção de 27 fogos a custos controlados e, no prazo de cinco anos, novo projeto de 57 novos fogos a custos controlados”, reforçou Vitor Paulo Pereira.

Reforça igualmente a importância de ser a voz ativa na defesa do território, reivindicando, se necessário, junto da gestão de fundos comunitários uma maior flexibilidade para gerir os investimentos estratégicos. “É necessário mudar o paradigma atual da gestão de fundos comunitários que se suporta na ideia de que tudo tem de ser tratado de forma igual, quando o fundamental é tratar de forma diferente o que é diferente. Em síntese, precisamos de flexibilidade na gestão, acompanhada do reforço da fiscalização para garantir o cumprimento da legalidade”, declarou.

Para Vitor Paulo Pereira, “é impossível implementar qualquer estratégia de desenvolvimento territorial fora de um quadro de criação de emprego e habitação, porque são as pessoas que garantem que tudo isto possa acontecer”.