Mulher do Jogo: Ana Rute

A jovem jogadora portuguesa foi crucial para a construção do triunfo bracarense. A número 23 ocupou a posição de Dolores Silva, que saiu por lesão, e tornou-se na organizadora de jogo. A atleta ocupou uma posição avançada e marcou dois dos dez golos da partida.

Em cima:

Segunda parte bracarense 

No primeiro tempo, a formação arsenalista foi claramente superior. Porém, nos 45 minutos seguintes a diferença entre as duas equipas dilatou-se. Dito isto, as Gverreiras nunca tiraram o pé do acelerador, não saíram da zona ofensiva e não deram hipótese às gilistas para reduzirem o resultado.

Jermaine Seoposenwe

Destaque para a atleta do SC Braga, que esteve sempre muito ativa nas diversas jogadas, ao longo da partida. A sul-africana foi fundamental na vitória do emblema bracarense e também ela agitou por duas vezes as redes gilistas.

Em baixo:

Nervosismo inicial das jogadoras

Destaque para o nervosismo de muitas jogadoras do SC Braga e do Gil Vicente FC, potencialmente motivado por se tratar da abertura da Liga BPI. Uma prova desse mesmo nervosismo foi o erro defensivo da equipa gilista que deu origem ao primeiro golo da partida.

Gil Vicente FC

Percebeu-se, desde muito cedo, que as discrepâncias entre as equipas eram grandes e que seria uma tarde muito complicada para a turma barcelense. As gilistas fizeram o que puderam, mas não conseguiram evitar um resultado muito desnivelado.

Recorde aqui as incidências da partida.