Image

Posts de Albertino Gonçalves

Latest Posts | por Albertino Gonçalves
Homo Hierarchicus
2 anos atrás

Homo Hierarchicus

Prezamos os concursos, os rankings e os prémios. O Homo Hierarchicus, como fala Louis Dumont, propenso a hierarquias, desforra-se do Homo Aequalis, propenso à igualdade. Como chegamos a esta inflexão? Ler Mais

Qualidade de vida
2 anos atrás

Qualidade de vida

A qualidade de vida também se mede. A Organização Mundial de Saúde (OMS) concebeu uma ferramenta para aferir a qualidade de vida das pessoas: o WHOQOL Ler Mais

A encenação do poder
3 anos atrás

A encenação do poder

Tive o privilégio de ter conhecido Georges Balandier como professor. Publicou, em 1980, o livro Pouvoir sur Scènes, dedicado às diversas formas de encenação do poder. Ler Mais

Paixão pela burocracia
3 anos atrás

Paixão pela burocracia

Nos meus primeiros tempos de Universidade, um docente não sofria de excesso de solicitação. Havia duas ou três entidades passíveis de lhe pedir iniciativas: o Diretor do Departamento, o Presidente da Escola e, eventualmente, uma ou outra comissão de curso. Quanto ao resto, raridades. Ler Mais

Corpos comunicantes. A educação pelos sentidos no Mosteiro de Tibães – I
4 anos atrás

Corpos comunicantes. A educação pelos sentidos no Mosteiro de Tibães – I

O corpo fala! Toda a gente sabe. Ray Birdwhistell insistiu nesta tecla em 1952 (Introduction to Kinesics). O corpo fala por todo o lado: cotovelos, pele, unhas, pelos, olhos, orifícios e poros. Desde a ponta dos pés até à ponta dos cabelos. Mesmo calado, o corpo consegue ser o nosso maior “banco de símbolos” (Philippe LeBreton). Não existe nicho corporal que não esteja sobreinvestido de sentido. Até fantasias como os humores, alvo, durante séculos, de sangrias medicamente assistidas. Ler Mais

A Fraqueza das Palavras
4 anos atrás

A Fraqueza das Palavras

Comam sobre a erva

Despachai-vos

Um dia ou outro

A erva comerá sobre vós

(Jacques Prévert, Fatras, 1966)

Ler Mais

Rebaixamento
4 anos atrás

Rebaixamento

Enfrentar a crise e o défice sem recurso a uma política monetária é complicado. Sem hipótese de desvalorização da moeda, adota-se uma alternativa inovadora: produz-se o “equivalente” à desvalorização da moeda, passando o protagonismo do mercado para o Estado. Trata-se, na prática, de um reforço dos poderes governamentais que nem os keynesianos sonhariam. Este cenário presta-se a tentações. Ler Mais

A Andorinha e a Primavera: o Primeiro Festival de Vilar de Mouros
4 anos atrás

A Andorinha e a Primavera: o Primeiro Festival de Vilar de Mouros

Circula na internet um relatório sobre o primeiro Festival de Vilar de Mouros redigido por um informador da PIDE/DGS. Era então primeiro-ministro Marcelo Caetano. Este festival ficaria reputado como o Woodstock português. O relatório é um documento precioso, pelo conteúdo e pela forma. Da leitura, depreende-se que os participantes no festival eram porcos, estavam famintos e andavam com cio. O autor, um “elemento informativo”, insiste nestas três teclas. Ler Mais

Caravanas
4 anos atrás

Caravanas

Sexta passada, 27, corria pelas ruas um buzinão danado. Celebração desportiva? Excesso da praxe universitária? Casamento de meia-noite? Não! Eram, em vésperas de eleições, as caravanas políticas, ajuntamento cuja aritmética me escapa: em fila sonora, parecem mais, logo são mais; se forem muitos, ainda mais serão… Qual é a fé que sustenta esta extravagante procissão motorizada? Congregar as hostes e chamar os indecisos? Jogar a última carta? A convicção de que ganha quem mais berra? Será um ritual premonitório do resultado eleitoral? Um ritual antecipatório em que armar, hoje, músculo garante, por magia, força amanhã? Uma simulação de vitória para atrair quem gosta de acertar no vencedor? Uma pulsão tribal na era da técnica? Seja qual for a razão, não deixa de ser comovedor ver tanto português a carburar tanto combustível. Ler Mais

Topo