Abstenção disparou para valores mais habituais após a descida do ano passado. Apenas 2138 alunos votaram.

A abstenção voltou a subir nas eleições para a Associação Académica da Universidade do Minho (AAUM). Depois de no ano passado descer para um mínimo histórico de 74%, nas eleições deste ano voltou a ultrapassar a barreira dos 80%, igualando o valor de 2013.

Num universo de 17640 eleitores, o número de votantes foi de 2138 – menos de metade dos alunos que votaram no ano passado, o que faz a abstenção atingir 87,88%.

Comissão Eleitoral: “As condicionantes da eleição acabam por ser as mesmas dos anos anteriores”

O presidente da comissão eleitoral apresentou os resultados da eleição e falou sobre os números da abstenção. João Ferreira afirma que estes valores podem ser justificados pelo facto de ” muitos alunos já não frequentarem a licenciatura e virem à Universidade menos vezes” ou devido ao “elevado número de alunos da região que podem não ter a possibilidade para se deslocar propositadamente no dia das eleições”. Apesar de tudo reforça que “tendo em conta que havia uma lista única para a direção o resultado foi bastante positivo”.

O responsável pelo ato eleitoral  elogia o ” elevado nível de democraticidade em todo o processo”. João Ferreira diz não esquecer as estratégias já apresentadas para diminuir a abstenção, afirmando que “embora muito se fale sobre o voto eletrónico, existem outras soluções que devem ser tidas em conta, como levar as mesas de voto a outros sítios que os alunos frequentam”. Para o presidente da comissão eleitoral este deve ser um dos principais temas de debate dos vários orgãos eleitos, de forma a “procurar a opinião dos alunos”.

Entrevista: Henrique Ferreira