Homem do jogo

Fredy Montero

Há uma frase feita que diz que a sorte surge quando se conjuga a capacidade com a oportunidade. Montero é um ponta-de-lança oportuno, com faro de golo, que sabe posicionar-se e aproveitar os deslizes alheios. Depois de ter regressado aos golos no jogo com o Paços de Ferreira, na semana passada, voltou a marcar por duas vezes em Barcelos. Dois golpes de oportunidade, aos 19 e aos 73 minutos, que catapultam o Sporting para a liderança isolada do campeonato.

 

Em cima

César Peixoto

Aos 33 anos, o capitão do Gil Vicente é uma das principais figuras desta equipa de João de Deus. Frente ao Sporting, foi um dos mais inconformados, canalizou muito do jogo ofensivo e representou um dos principais expoentes da agressividade, solidariedade e entreajuda manifestadas pelos gilistas. Desmarcou Paulinho, aos 57 minutos, numa oportunidade flagrante de golo que Rui Patrício travou.

André Martins

Conseguiu ter espaço para jogar no meio-campo e esteve, por duas vezes, perto de marcar. Já depois de Montero ter colocado o Sporting em vantagem, o médio português ameaçou a baliza do Gil Vicente. Aos 30 e aos 38 minutos, André Martins apareceu na área em boa posição, conseguiu superiorizar-se à defesa adversária e esteve perto de marcar em dois golpes de cabeça. Para quem tem apenas 169 centímetros, nada mau.

Diego Capel

A enorme ovação que recebeu no momento em que deu o lugar a Diogo Salomão, aos 80 minutos, mostra o quão agrada aos adeptos leoninos – que, em Barcelos, nunca deixaram de apoiar a equipa. Conseguiu criar dificuldades à defesa do Gil Vicente, repetindo diversas vezes um movimento que o caracteriza: sai da ala com a bola colada ao pé, flete para o meio e procura a baliza adversária. Foi assim que nasceu o segundo golo do Sporting.

Diogo Viana

Um dos jogadores mais perigosos do Gil Vicente. Esteve em destaque na reação da equipa gilista após o primeiro golo do Sporting e conseguiu criar algum perigo para a baliza sportinguista. Conseguiu conquistar o primeiro canto do Gil Vicente, que acabaria por originar um remate forte de Luís Martins bem defendido por Rui Patrício, aos 15 minutos, além de bons cruzamentos para a área adversária. Acabou substituído, aos 80 minutos, por Simi, quando o Gil Vicente já perdia por dois.

 

Em baixo

Pek’s

A expulsão do central cabo-verdiano, a meia hora do final, foi um momento-chave do jogo. O Gil Vicente entrara bem na segunda parte, estava no melhor momento do jogo e já conseguira rondar o empate quando Pek’s, impetuoso, atingiu William Carvalho de forma violenta. Foi expulso e contribuiu para desacelerar a reação da equipa barcelense. Antes disso, já demonstrara insegurança e alguma falta de coordenação com Danielson, o parceiro no centro da defesa, tendo sido impotente para impedir a antecipação de Montero no lance do primeiro golo.

João Vilela

Nunca teve espaço de progressão e passou ao lado do jogo, aparecendo somente num remate à meia volta que não passou muito longe da baliza de Rui Patrício (25′). Mostrou sempre sempre dificuldades para conseguir lances de perigo e foi o primeiro jogador sacrificado por João de Deus: saiu pouco tempo depois do arranque da segunda parte, aos 53 minutos, para dar o lugar a Vítor Gonçalves.

A análise do jogo: Gil Vicente perde com o novo líder isolado