A Universidade do Minho uniu-se à Universidade do Porto e à Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, numa fusão que tem como principal objectivo a captação de fundos do Programa Horizonte 2020, lançado pela União Europeia. Este projecto conta com uma verba de 80 mil milhões de euros para a ciência.

A fusão entre as três universidades resulta de um entendimento pela internacionalização destas instituições, que pretendem aumentar a cooperação e apostar em projectos mais fortes.

“É uma estratégia de internacionalização e de desenvolvimento das próprias universidades”, sublinhou o reitor da Universidade do Minho, António Cunha, em entrevista ao Jornal de Notícias. Para o reitor, a captação de fundos alternativos é crucial, mas esclarece que esta pareceria não é uma resposta à reestruturação da rede do ensino superior, que tem vindo a ser desenvolvida pelo actual ministério da Educação e da Ciência.

As três instituições estão a cooperar no desenvolvimento de diferentes projectos, através da partilha de equipamentos e recursos humanos. Estas sinergias deverão ser reforçadas com o novo protocolo.