SC Braga e Vitória SC empataram a zero, num jogo a contar para a 12ª jornada da Primeira Liga de Futebol. Num encontro mais animado nas bancadas do que no campo, Braga e Vitória não saíram do nulo inicial, num jogo pobre e com poucas situações de perigo.

Num “derby” sempre escaldante, Braga e Vitória empataram sem golos, num jogo equilibrado. A primeira parte foi marcada pelas boas exibições dos guarda-redes, Matheus e Assis. Porém, no segundo tempo, o jogo tornou-se fraco e com poucas situações de perigo iminente. Destaque para o final do encontro, com três expulsões, que mancharam o “derby minhoto”.

O SC Braga entrou bem e não perdeu tempo para criar perigo. Logo no primeiro minuto, na conversão de um livre a longa distância, Tiago Gomes rematou forte e colocado, valendo a boa defesa de Assis.

Numa primeira parte equilibrada, o Vitória tentou chegar à baliza bracarense através da criatividade de Bernard e Hernâni. Por outro lado, o Braga apostava em Pardo e na criatividade do seu meio-campo. Aos 13 minutos, Hernâni driblou na direita e cruzou para o segundo poste, onde apareceu Bernard que, displicente, permitiu a defesa de Matheus, guarda-redes dos homens da casa.

O jogo continuou a um ritmo lento e nova ocasião de perigo só surgiu à passagem da meia hora de jogo, quando Hernâni recebeu, dentro da área, um passe longo de André André e, com oposição, puxou para o pé esquerdo, rematando em arco. Quando já se gritava golo na bancada reservada aos adeptos vimaranenses, Aderlan Santos apareceu a saltar e tirou o golo ao extremo português.

O espectáculo continuava na Pedreira, mas do lado oposto. Após um cruzamento do veterano Alan, o “pequeno” Rafa surgiu no coração da área a cabecear, mas Assis esticou-se e negou o golo aos bracarenses. No contra-ataque, Bernard recebeu a bola na esquerda e, longe da baliza, rematou à procura do golo. Desta vez, foi o poste a dizer que não ao jovem ganês.  A primeira parte terminou com o nulo no marcador, muito devido às boas exibições dos dois guarda-redes brasileiros.

Os destaques: Rafa e Bernard a desequilibrar, final manchado pelas expulsões

No regresso dos balneários, o equilíbrio manteve-se como nota dominante. A noite era fria e o jogo não mostrava sinais de aquecer os milhares de adeptos nas bancadas.

Foi com uma hora de jogo que Éder se mostrou. O internacional português ganhou em velocidade na direita e cruzou atrasado para Rafa que, em boa posição, rematou muito por cima da baliza vimaranense.

Aos 70 minutos, novamente Rafa a conduzir o Braga na busca pelo golo. Jogada individual do extremo português, concluída com um remate que passou a centímetros do segundo poste, onde ninguém apareceu a encostar.

Numa segunda parte, onde as duas equipas não reproduziram o espectáculo da primeira metade, a nota de maior destaque vai para o árbitro Carlos Xistra. Discreto no primeiro tempo, a dois minutos de terminar o jogo, tornou-se o centro das atenções ao mostrar três cartões vermelhos. Primeiro aos 88 minutos, num lance de contra-ataque em que Rafa se isolava, Bruno Gaspar travou-o e recebeu o segundo amarelo, deixando o Vitória reduzido a dez unidades. Nem um minuto passou quando Salvador Agra, que tinha entrado aos 66 minutos, cabeceia Hernâni e recebe o vermelho direto. Neste lance, também Hernâni recebeu ordem de expulsão, depois de ter visto o segundo amarelo, na sequência da jogada.

Antes de terminar o jogo, o Braga podia ter garantido a vitória através de Rafa, mas este cabeceou às malhas laterais, após um cruzamento de Baiano. O jogo terminou com um 0-0, ficando na memória os desentendimentos no final de uma partida equilibrada, porém com um futebol pobre perante os adeptos que estiveram em bom número no Estádio Axa.