O Gil Vicente recebeu e saiu goleado pelo Benfica, por 0-5, em jogo a contar para a 31 ª jornada da Liga NOS. A equipa da casa sofreu um domínio avassalador por parte do Benfica, que fez uma exibição segura e foi muito eficaz. Maxi Pereira abriu e fechou as contas.

A equipa da luz entrou bastante aguerrida e com os olhos postos na baliza de Adriano. O Gil Vicente, noutro sentido, apresentou-se, nos primeiros minutos, bastante recuado. Desta forma, a equipa da casa começou a sentir sérias dificuldades em controlar as investidas do adversário.

Este massacre resultou pouco depois em golo. Aos 15 minutos, Maxi Pereira abriu o mercador, dando o melhor seguimento a uma jogada pelo ataque direito da turma benfiquista.

Os minutos iam passando e os visitantes continuavam a ser a equipa mais perigosa em campo. O coletivo barcelense mostrava-se muito desconcentrado em campo e os erros proliferavam. Ainda assim, pouco depois, Yazalde esteve perto de igualar a partida, com remate colocado. Júlio César correspondeu com uma defesa de bom nível.

Não aproveitou a equipa da casa, aproveitou, de novo, o Benfica. Gaitán pegou na bola, conduziu-a pela esquerda e fez um cruzamento tenso para a área. A bola chegou a Jonas que, com um cabeceamento bem medido, colocou os visitantes a vencer por dois golos, em Barcelos.

O Benfica abrandou o ritmo e o Gil Vicente cresceu muito na partida. José Mota pediu aos seus jogadores para subirem e estes tornaram-se também mais agressivos no relvado. E os benfiquistas chegaram a tremer em duas situações.

No primeiro, três jogadores do Gil tentaram encostar para a baliza do guardião brasileiro, depois de uma atrapalhação na área benfiquista, mas faltou eficácia. Depois, Rúben Ribeiro surgiu na área pela esquerda, mas rematou às malhas laterais.

Até ao intervalo, o Gil Vicente esteve por cima nesta partida, mas nunca conseguiu definir no último terço. O Benfica parecia ter a vantagem bem controlada.

A equipa de Barcelos começou a segunda metade tal como a primeira: a dormir. Por vezes, as desconcentrações pagam-se caro e foi o que aconteceu. Logo no primeiro minuto, Luisão fez o terceiro para o Benfica: canto batido à direita, o brasileiro saltou alto e fuzilou, de cabeça, para a baliza de Adriano.

A equipa da casa há muito que deixava de acreditar e Lima aproveitou para a fazer o quarto golo para as “águias”. Já dentro da área gilista, Jonas progrediu pela direita e cruzou de forma confiante para o colega brasileiro, que encostou para as redes de Adriano.

A equipa comandada por Jorge Jesus apesar de ter construído, ao longo dos minutos, uma resultado sólido, recusou-se a abrandar o ritmo. A formação barcelense, por sua vez, via jogar. Sem ânimo, não era capaz de causa qualquer calafrio a Júlio César, que na segunda parte foi um mero espectador.

Mas o pesadelo gilista não terminava por aqui. Pouco depois, Maxi fez o quinto golo do Benfica e selou o resultado final. O lateral uruguaio concretizou na ressaca de um remate falhado de Lima. Até ao apito final, a formação visitante ainda teve várias oportunidades para avolumar o resultado, mas sem sucesso.

Com este resultado, o Gil Vicente não conseguiu escapar à zona de despromoção e precisa urgentemente de pontuar. Tem menos três pontos do que o Vitória de Setúbal e mais um jogo. A manutenção é cada vez mais uma miragem para a equipa orientada por José Mota. Na próxima jornada, terá outro teste bastante complicado, frente ao FC Porto.