O conselho Cultural da Universidade do Minho atribuiu o prémio Victor de Sá de História Contemporânea 2015 a Duarte Roque de Freitas com a tese de doutoramento “Memorial de um complexo arquitetónico enquanto espaço museológico: Museu Machado de Castro (1911-1965)”.

Através da sua tese, Duarte Roque de Freitas, pretendeu estudar as transformações sofridas no Museu Nacional de Machado e Castro em Coimbra, desde o início da sua perspetivação até ao seu apogeu como museu nacional. Por via de estudos e análises de várias fontes, conseguiu solidificar a sua tese.

A menção honrosa foi atribuída a Francisco Malta Romeiras, pela obra “Ciência, Prestígio e Devoção: Os Jesuítas e a Ciência em Portugal (séculos XIX e XX) ”, realizada na Universidade Nova de Lisboa.

Duarte Roque de Freitas é licenciado em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC), tendo realizado mais tarde uma pós-graduação em Museologia e Património Cultural. É membro integrado do Centro de História da Sociedade e da Cultura da Universidade de Coimbra e investigador do Centro de Estudos de História das Empresas da Universidade Autónoma de Lisboa.  As suas áreas de interesse são a Museologia, o Património Cultural, a História da Madeira, a História Económica e Social e a História das Organizações.

O Prémio Victor de Sá de História Contemporânea existe há mais de duas décadas, tendo como principal objetivo incentivar a criação de novos trabalhos na área da História Contemporânea de Portugal, por parte de jovens investigadores. Este é um dos prémios de maior distinção da área Histórico-cultural a nível nacional. A atribuição do prémio decorre no mês de Dezembro, em Braga.