A Universidade do Minho (UM) decidiu devolver os 300 euros de taxa de submissão de teses de doutoramento a quem os pagou ainda durante o ano lectivo 2015/2016. A medida entra efectivamente em vigor a partir do início do próximo ano.

A Associação Académica da Universidade do Minho (AAUM) e a Associação de Bolseiros de Investigação Científica (ABIC) estiveram por várias vezes reunidos com a reitoria da UM, pedindo que recuasse com o despacho que, a 5 de Fevereiro de 2016, instituiu esta taxa. A reitoria cedeu, mas não vai fazer mais do que devolver os 300 euros a quem, apanhado de surpresa, teve de os pagar entre Fevereiro e Julho.

Em declarações à Rádio Universitária do Minho, o presidente da AAUM, Bruno Alcaide, diz que esta taxa é “injusta”, sobretudo para os estudantes que a meio do ano foram “surpreendidos”. Bruno Alcaide sublinha o “papel importante” que a AAUM e a ABIC tiveram nesta matéria, congratulando-se por esta taxa entrar em vigor apenas a partir de Setembro próximo. No entanto, o presidente da Associação reitera ser contra esta taxa, recusando as justificações, por parte da UM, de equiparação a outras universidades e de associação a custos administrativos que as propinas, por si, diz Bruno Alcaide, deveriam assegurar.

Este emolumento de 300 euros abrange os alunos de doutoramento, que têm de o suportar para ver a sua tese submetida para apreciação. Recorde-se que foi uma medida mal acolhida por parte dos bolseiros e doutorandos, tendo mesmo a ABIC organizado um abaixo-assinado pela sua revogação e associado esta taxa ao novo estatuto de fundação da UMinho.