“Afirmar as posições dos estudantes com seriedade e honestidade” e “defender e salvaguardar os direitos dos alunos”. Estes são os principais objetivos da Lista A e da Lista B, respetivamente, que iniciam hoje a campanha para as eleições dos representantes dos estudantes no Senado Académico da Universidade do Minho (UM).

Nuno Reis, cabeça-de-lista da Lista A, afirma que existem algumas questões nas quais é “pertinente que os estudantes se façam ouvir”, destacando a manutenção de uma “intransigência absoluta” face ao aumento das propinas, a discussão das políticas de ação social e o cumprimento dos direitos dos estudantes consagrados no Regulamento Académico.

Em entrevista ao ComUM, o líder da Lista A acredita que a participação dos estudantes eleitos no Senado Académico ao longo do último mandato “foi bastante positiva”, propondo, assim, a continuação de um “papel muito ativo no órgão”, “reforçando a divulgação das discussões já existentes”, entre as quais “a qualidade dos serviços prestados nas cantinas e residências universitárias, a oposição a qualquer agravamento das condições financeiras e no processo de revisão do Regulamento Académico”.

Relativamente à Lista B, a passagem da UM a fundação, uma possível flexibilidade no pagamento das propinas, uma revisão da oferta educativa e a criação de um orçamento participativo, são alguns dos pontos fulcrais na candidatura.

Em entrevista ao ComUM, Bruno Gonçalves, cabeça-de-lista da Lista B, afirma que “a informação até agora prestada sobre a passagem da UM a Fundação não tem sido clara”. Neste sentido, a Lista B propõe um esclarecimento aos alunos da Universidade do Minho das “implicações desta alteração de estatuto e quais as alterações que os podem, de uma forma ou outra, beneficiar”. Questionado pelo ComUM, o representante da Lista B diz que “a explicação será feita de diversas formas”, desde as redes socais, à comunicação pelo e-mail institucional até à convocação de sessões.

O Orçamento Participativo é, também, uma proposta apresentada na candidatura da Lista B, sendo uma questão já há muito abordada, admite Bruno Gonçalves. “Aquilo que deve ser feito, no nosso entender, é reforçar junto do Senado Académico a importância da realização de uma medida deste caráter, uma vez que é um instrumento de dinamização e de reconhecimento dos melhores projetos dos alunos da UM”, afirma.

A Lista A acredita ter “reunido uma equipa de estudantes que se fizeram pautar pelo rigor e responsabilidade necessários” para representar os alunos no Senado Académico. Segundo Nuno Reis, todos os membros desta lista “trazem consigo uma experiência muito grande de participação na Academia”, tendo muito deles já desempenhado funções como dirigentes associativos da AAUM, delegados de ano, presidentes de núcleos de curso, etc. “É a primeira vez que nos envolvemos na candidatura ao Senado Académico enquanto representantes dos estudantes, sujeitos ao escrutínio da Academia”, declara.

Também Bruno Gonçalves é um estreante. Apesar de alguma experiência em cargos de representatividade de estudantes, a nível local e nacional, é a primeira vez que se candidata ao Senado Académico. Apesar disso, a Lista B afirma-se como uma “Lista plural, quer a nível opinativo quer nas mais distintas áreas em que os seus proponentes se destacam, garantindo assim uma reprodução fiel dos interesses e legítimas aspirações dos estudantes da Universidade do Minho”.

Questionados sobre a importância que os alunos dão à eleição dos representantes para o Senado Académico, ambas as listas afirmam que, de uma forma geral, há um certo desconhecimento do funcionamento deste órgão. Contudo, Nuno Reis afirma que “os estudantes reconhecem a necessidade de se fazerem representar nas diversas estruturas e órgãos dos seus cursos, escolas e Universidade”. Neste sentido, as duas listas pretendem sensibilizar os alunos para a importância deste órgão.

A campanha eleitoral das listas para a representação dos estudantes no Senado Académico começa hoje e acaba dia 25 de novembro. As eleições estão marcadas para a próxima segunda, dia 28.

Sofia Moreira, Sara Viana