Fazer-se qualquer tipo de análise à temporada de hóquei em patins que agora finda sem se fazer referência aos acontecimentos da última jornada é uma tarefa praticamente impossível. À entrada para a derradeira ronda do campeonato, Benfica e FC Porto somavam os mesmos pontos (65 pontos), bastando uma vitória ao Benfica para se sagrar campeão nacional- a formação encarnada tinha vantagem no confronto direto sobre os azuis e brancos. No último jogo, o FC Porto recebeu e venceu o Riba d’Ave e o Benfica empatou em casa do Sporting, não sem antes lhe ser anulado, numa decisão bastante polémica, um golo a poucoz segundos do fim. O FC Porto conquistou o 22º título de Campão Nacional da sua história, festejando ainda a conquista da Supertaça e da Taça de Portugal.

Apesar de tudo, a temporada 2016/2017 só pode ser encarada como positiva para o hóquei português. Depois da conquista do título europeu por parte da seleção nacional há cerca de um ano, as equipas portuguesas “puxaram dos galões” e assumiram papéis de destaque nas provas europeias. O Benfica e a Oliveirense atingiram as meias-finais da Liga Europeia: enquanto os encarnados foram eliminados pelo Reus, a formação de Oliveira de Azeméis derrotou o Barcelona e avançou para a final. No jogo decisivo, a Oliveirense não se conseguiu superiorizar ao Reus, acabando por sair derrotada por 4-1. Salientar ainda a conquista, pelo segundo ano consecutivo, da Taça CERS por parte do OC Barcelos.

Quatro equipas do Minho na 1ª Divisão na temporada 2017/2018

O maior destaque a nível minhoto vai mesmo para a exclusão do Riba d’Ave do Campeonato Nacional. A equipa famalicense somou três faltas de comparência e acabou por ser “sancionada” com a descida de divisão. As restantes equipas acabaram por fazer campeonatos tranquilos.

O Valença, embora tenha estado sempre na metade inferior da tabela classificativa, conseguiu somar 21 pontos, acabando no oitavo posto do campeonato.

A Juventude de Viana, com o excelente fim de campeonato (4 vitórias nos últimos quatro jogos) assegurou o sexto posto da classificação, fruto dos 38 pontos que conquistou.

Analisando agora a formação minhota que melhores resultados obteve, o OC Barcelos terminou a prova num honroso quinto posto, isto para além de ter conquistado, tal como já se referiu anteriormente, a Taça CERS. Um dado curioso na campanha do emblema de Barcelos prende-se com o facto de a equipa ter conseguido “roubar” oito pontos a clubes que ficaram nos quatro primeiros lugares do Campeonato.

Por fim, como nota conclusiva, destaque para o regresso do Hóquei Clube de Braga ao escalão máximo da modalidade em Portugal, regresso este que permite a presença, mais uma vez, de quatro equipas do Minho no Campeonato Nacional.