O incêndio que ontem alarmou a população de Braga está em fase de rescaldo. A chuva, apesar de chegar algumas horas depois da previsão, ajudou ao combate às chamas, que consumiram 1.200 hectares. O Plano de Emergência Municipal de Braga foi ativado durante a madrugada, depois de reunião da comissão municipal da Proteção Civil. Não há registo de feridos.

João Pedro Quesado/ComUM

João Pedro Quesado/ComUM

Nogueiró, Fraião, Lamaçães, Tenões, Espinho e Este São Pedro foram as freguesias afetadas pelo grande incêndio de ontem, que esteve às portas da cidade e deixou bombeiros e população em alerta máximo. Durante a madrugada o município viu-se forçado a ativar o Plano de Emergência, ainda antes da chuva ajudar a acalmar a situação.

A ativação do plano contempla também a “previsibilidade da ocorrência de precipitação que, face às condições atuais dos solos, possibilitará o arrastamento de materiais sólidos”, segundo um comunicado na página do município no Facebook.

O vereador da Proteção Civil, Firmino Marques, afirmou à Rádio Universitária do Minho (RUM) que 1.200 hectares arderam ontem em Braga, divididos por dois incêndios: o primeiro, na zona de S. Mamede D’Este, Santa Lucrécia de Algeriz, Pousada e Navarra, queimou cerca de 200 hectares; o segundo, mais intenso, que começou na Morreira e atravessou para Guimarães e Braga, a partir das freguesias de Nogueira, Fraião, Lamaçães, Tenões e Nogueiró, fez arder “cerca de mil hectares”.

Não há registo de feridos, mas apenas de danos materiais em habitações.

Na Falperra, para além de terem sido evacuadas zonas habitacionais, foram também retirados os clientes de um hotel e os utentes do Projeto Homem (unidade de deintoxicação). “Uma instituição religiosa” foi também evacuada, segundo Firmino Marques, que durante a noite desmentiu rumores que davam nota que o Hospital Privado de Braga teria sido evacuado e que uma pensão teria ardido. “O fogo andou sempre longe do hospital,” apesar de ter sido colocado “um meio perto das imediações”, disse.

Durante a noite de ontem surgiram também apelos para a entrega de água e de alimentos aos mais de 70 bombeiros que, àquela hora, participavam no combate aos incêndios. Mais de 10 carros e carrinhas de dimensão média deixaram o ponto de recolha com as malas cheias, prontas a entregar as provisões às corporações de bombeiros.

Durante a madrugada a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) ativou uma linha telefónica para responder aos pedidos de informação das populações. O número é o 800 246 246 e ainda está ativo para todo o país. A linha de apoio às populações afetadas pelos incêndios está disponível através do número 144.

Notícia atualizada às 11h09 com informações da área ardida no concelho de Braga.