Homem do jogo

Diego Roncaglio

O número 22 da formação lisboeta demonstrou-se imperial sempre que os minhotos ameaçaram a sua baliza. Foi logo aos cinco minutos de jogo que Roncaglio deu início às importantes defesas que assegurariam que o SC Braga não iria faturar golos neste encontro. O guardião encarnado negou por várias vezes os ataques aos bracarenses ao longo da partida, antecipando-se sempre que possível. Foi um elemento crucial para a vitória das águias.

Em cima

Sport Lisboa e Benfica

A partida começou equilibrada, e, apesar de se ter mantido assim em alguns momentos, a equipa de Joel Rocha conseguiu dominar na maioria do tempo. Se Diego Roncaglio foi essencial na baliza para as águias, há que reconhecer o devido mérito aos restantes elementos. Como foi o caso de Deives Morais, que assistiu para Fábio Cecílio no segundo golo da partida.

Além disso, o camisola 14 fez vários remates perigosos, incluindo duas bolas ao poste. Bruno Coelho foi também um jogador importante ao criar perigo, formando jogadas importantes e tendo feito boas interceções de bola.

Apoio nas bancadas

Desde o apito inicial que ambas as equipas tiveram o apoio dos adeptos, que se revelou incondicional. Se, por um lado, os visitantes puderam contar com dois golos para animar – ainda mais – as bancadas, os adeptos da casa não se deixaram afetar pela diferença no marcador. Do pontapé de saída até ao apito final, não faltaram cânticos de apoio para ambas as formações.

Em baixo

Eficácia do SC Braga

Não foi, certamente, dos melhores dias em termos de finalização da equipa minhota. Os “Gverreiros do Minho” desperdiçaram múltiplas oportunidades ao longo da partida. Por muito boas que tivessem sido algumas jogadas da equipa da casa, a maioria dos remates deixaram um pouco a desejar. Os bracarenses tiveram a vida dificultada com Roncaglio pela frente.

Parte dos adeptos

O árbitro viu-se obrigado a interromper o encontro devido à confusão gerada na bancada ocupada pelos adeptos benfiquistas. O jogo encontrava-se a meio da primeira parte quando os desacatos gerados na bancada dos visitantes obrigou as autoridades a intervir. O lançamento de petardos foi, provavelmente, o que desencadeou toda a desordem. Até cadeiras voaram.

Agentes da GNR chegaram mesmo a acompanhar um adepto encarnado para fora do pavilhão. São lamentáveis e reprováveis este tipo de situações que perturbam o bom ambiente que se pretende nos eventos desportivos.