O Misty Fest, festival de singer-songwriters, voltou ao Theatro Circo. Os artistas Benjamin Francis Letftwich e Sivu, dois nomes relevantes do panorama indie britânico, atuaram ontem pela primeira vez em Portugal, num concerto duplo.

Muitas eram as pessoas que aguardavam à porta do Theatro. Um dos espectadores confessou vir ao Theatro Circo “à descoberta”, revelando não acompanhar o trabalho dos artistas, contudo, as expectativas estavam altas pelo pouco que tinha visto deles.

Estreando-se em Portugal, Sivu, alter-ego de James Page, veio apresentar o seu segundo álbum “Sweet Sweet Silence”. O artista subiu ao palco acompanhado por um conjunto de aplausos. Este elogiou a imensa sala dourada do Theatro Circo, nunca tinha tocado num espaço tão bonito como aquele, confessando ser “aterrorizante, mas impressionante”.

Sara Viana/ComUM

Sara Viana/ComUM

Num ambiente místico e afável, seguiram-se músicas como “Childhood House” e “Sweet Sweet Silent”, entre outras, onde o cantor alternava, serenamente, as cordas da guitarra pelo piano, deixando as pessoas envolvidas nas suas canções. O artista abandonou o palco agradecendo ao público, coberto por muitas palmas.

Após um pequeno intervalo, Benjamin Francis Letftwich surge no palco com a sua guitarra começando a tocar e a cantar sem microfone. A voz do cantor, acompanhada unicamente pelos acordes do seu instrumento, conquistou o público. Após a primeira música, dirigiu-se à plateia, cumprimentando-a, agora com o microfone ligado, declarando sentir-se agradecido por estar a atuar em Portugal.

Sara Viana/ComUM

Sara Viana/ComUM

“After The Rain” é o mais recente trabalho de Benjamin Francis Leftwich. O artista rapidamente criou cumplicidade com os espectadores, arrancando-lhes palmas e gargalhadas. Este conversou com o público no intervalo de cada canção. Revelou já ter estado em Portugal, na zona do Algarve, contudo nunca viera a Braga, confessando que a cidade se assemelha ao mundo do “Harry Potter”. Durante o espetáculo, Benjamin desceu do palco enquanto cantava, envolvendo a plateia num ambiente agradável.

Perto do fim, o músico abandonou o palco, declarando ser o fim do seu espetáculo. Os barulhentos aplausos só terminaram quando o cantor regressou, poucos segundos depois, com a boa disposição que predominou durante toda a atuação, e cantou mais duas canções.

À saída, a falta de reconhecimento a nível internacional foi mencionada pelos admiradores dos artistas, que os consideram “talentosos” atribuindo-lhes grande “mérito” pelo facto de escreverem a letra das suas próprias músicas.