A RoboParty acontece em Guimarães, de 22 a 24 de março, e conta com mais de 500 participantes.

Ensinar a construir robôs móveis e autónomos é o objetivo da RoboParty, considerada o maior evento mundial de robótica educacional. Promovida pela Universidade do Minho e a sua spin-off, a Soluções de Automação e Robótica (SAR), a ação arrancou esta quinta-feira no campus de Azurém e dura até sábado.

É no pavilhão desportivo do campus de Azurém, em Guimarães, que os participantes da RoboParty irão passar três dias e três noites. Com entrada livre, o evento combina a formação nas áreas da engenharia eletrónica, programação e mecânica com atividades como remates de futsal, aula de jump, torneios de xadrez ou atuações de tunas da UMinho. “Um evento de 24/24 horas pode ser cansativo por estarem o tempo todo a aprender, por isso também temos atividades lúdicas e desportivas”, explica Fernando Ribeiro, coordenador da iniciativa e professor da Escola de Engenharia da UM.

Nesta 12ª edição, as mais de 120 equipas receberam um kit com peças do robô “Bot’n Roll One A” e formação básica para permitir a construção do protótipo. Os participantes contam também com o apoio permanente de estudantes do mestrado integrado em Engenharia Eletrónica Industrial e Computadores.

A maioria dos 500 participantes têm idades compreendidas entre os 15 e os 18 anos. Vêm de todo o país, mas também do estrangeiro, especialmente do Brasil e da Dinamarca. Fernando Ribeiro conta que muitos dormem dentro do espaço, com sacos cama ou colchões disponibilizados pela organização. Há ainda, segundo o professor, outros participantes que optam por passar toda a noite no portátil a criar o robô, que as equipas podem levar no final.

Os professores que acompanham as equipas têm também a possibilidade de realizar formações creditadas, que incluem programação de drones ou visão por computador, entre outras.