Vitória sobre os azuis e brancos nas grandes penalidades leva os leões a revalidar o título. Fernando Andrade e Bas Dost foram os artilheiros de serviço durante o tempo regulamentar.

O Estádio Municipal de Braga recebeu, este sábado, pelo segundo ano consecutivo, a final da Allianz Cup, disputada entre o FC Porto e o Sporting CP. Num clássico à moda antiga, os lisboetas derrotaram a formação capitaneada por Herrera nas grandes penalidades (3-1). Durante os 90 minutos, o resultado foi de 1-1. Era previsto uma final de enorme equilíbrio, visto que os dragões queriam fazer história em Braga e conquistar pela primeira vez esta taça. Por sua vez, os leões pretendiam revalidar o título conquistado na época transata e levar para a capital o troféu.

A partida começou com grande intensidade para os azuis e brancos, causando várias oportunidades de perigo à baliza de Renan Ribeiro, a partir da pressão exercida no meio campo leonino. No entanto, os comandos de Marcel Keizer responderam da melhor forma ao minuto 15. Fruto de um mau corte da defensiva de Sérgio Conceição, Nani deu o primeiro aviso, ao rematar sobre a barra de Vaná Alves. Num encontro muito disputado entre ambas as equipas, os lisboetas apostaram no contra-ataque para fazer frente ao muro constituído por Pepe e Felipe.

Com as duas equipas a jogarem num sistema tático muito fechado, os dragões alargaram o seu jogo para as alas, tentando surpreender a defensiva leonina com sucessivos cruzamentos. A poucos minutos do intervalo, os leões ainda reclamaram grande penalidade, só que o árbitro João Pinheiro nada assinalou. Já em cima do minuto 45, a partir de um livre do lado esquerdo do ataque, Bruno Fernandes, com um remate junto ao poste, testou a atenção do guardião do FC Porto. As duas equipas foram para o descanso, com o marcador a registar um empate a zero.

Na segunda metade da partida, o Sporting CP entrou no encontro com duas mexidas na equipa. Jefferson substituiu Marcos Acuña, de forma a subir no terreno e a criar mais ocasiões de golo e André Pinto, devido a lesão, deu lugar a Petrovic, reforçando a defesa no segundo tempo. No minuto 60, os dragões puseram à prova o guarda-redes leonino. Através de um canto, Felipe a subir até ao terceiro andar e a obrigar Renan Ribeiro a intervir no jogo. A turma orientada por Sérgio Conceição aumentou o ritmo, procurando inaugurar o marcador. Com o predomínio da posse de bola, a turma azul e branca chegaria mesmo ao golo no minuto 79.

Fruto de uma defesa incompleta do guardião brasileiro, Fernando Andrade, que entrou na segunda parte, não perdoou e sem ninguém pela frente, fez o 1-0 para o FC Porto. Na resposta ao golo sofrido, o conjunto que viajou da capital foi em busca de virar o marcador a seu favor, alargando o seu jogo para as alas. Já no último minuto da partida, os leões reclamaram uma falta de Oliver dentro da grande área. O árbitro João Pinheiro recorreu ao VAR e assinalou grande penalidade. Bas Dost, no frente a frente com Vaná Alves, não desperdiçou a oportunidade e converteu o penálti, igualando o encontro. Com o marcador a registar um empate a uma bola, a formação de Marcel Keizer ainda tentou a vitória, mas tal já não foi possível. O jogo terminou com o resultado de 1-1, indo a partida para grandes penalidades.

Na primeira ronda de decisão, tanto Bas Dost como Alex Teles não perdoaram e converteram o penálti em golo. No segundo tento, a história alterou-se. Coates foi chamado para bater a grande penalidade, rematando por cima da barra de Vaná Alves. O jogo aumentou a tensão quando Éder Militão desperdiçou a oportunidade de aumentar a vantagem para os dragões, chutando ao lado da baliza leonina. Na terceira rodada, Bruno Fernandes, tal como na meia-final, resolveu sem grandes problemas e fez mexer as redes da baliza azul e branca. Do lado do FC Porto, Hernâni, que foi chamado a jogo por Sérgio Conceição no segundo tempo, foi surpreendido por Renan Ribeiro, que adivinhou o lado seu remate. Grande momento para o guardião brasileiro, que levou a inúmeros festejos dos adeptos da turma de Lisboa.

O placard assinalava o resultado de 2-1 para os leões nos penáltis. Na quarta penalidade, Nani foi o escolhido por Marcel Keizer para ir bater o guarda-redes dos dragões. O internacional português, preferiu a colocação ao invés da força e não desperdiçou a chance de dilatar a vantagem dos lisboetas. Felipe acabou com as esperanças de todos os portistas ao falhar o golo. O defesa central rematou à trave, levando o Sporting CP a sagrar-se bicampeão da Allianz Cup.

Com este resultado, os leões conquistam o troféu pela segunda vez consecutiva, alcançando a sua primeira taça na presente época. Já o FC Porto, continua sem vencer esta prova, não conseguindo levar a taça para o seu museu.