A Biblioteca dos Livros Proibidos é o primeiro livro do autor Tom Pugh, um thriller histórico que mergulha no epicentro da luta constante entre o conhecimento e a religião. É uma obra envolvente que guia o leitor por uma aventura emocionante em busca do conhecimento.

No século XVI trava-se a guerra entre a luz e as trevas, numa sucessão de factos que irão levar, mais tarde, ao iluminismo. De cada um dos lados desta luta temos várias personagens guiadas por dois grandes líderes: Giacomo Vescosi e Gregorio Spina.

Vescosi, tal como o seu grupo, os Otiosi, trabalhou toda a sua vida a favor do conhecimento. Já em idade avançada, continua esta busca. O seu objetivo máximo é então encontrar uma biblioteca de livros proibidos, denominada por “Biblioteca do Diabo”. Este nome terrível foi-lhe atribuído pela igreja, por ser uma enorme fonte de conhecimento que, pelo seu ver, levaria qualquer Homem à loucura e heresia. Dentro desta biblioteca estão obras de Aristóteles, Pitágoras e Epicuro, bem como evangelhos proibidos e obras de outros grandes autores e filósofos.

Tom Pugh

Spina, por outro lado, é um difusor máximo e quase justiceiro da Igreja. Com o título de mestre do Palácio Sagrado, é o único a ser recebido pelo papa Pio IV, que acaba por não apoiar a vontade do líder. Então, o seu grupo, a que chama “Cães de Deus”, continua a tarefa na penumbra, sem deixar qualquer acontecimento chegar aos ouvidos do Vaticano. Spina procura também a Biblioteca do Diabo, mas com um fim diferente: pretende apenas alcançar o livro de Aal, que supostamente teria a força de iniciar o que chamam de “Os Últimos Dias”, ou seja, o Juízo Final.

Ambos os líderes tem fortes aliados que lutarão até ao fim pela causa que defendem. Vescosi, para além da sua bela e inteligente protegida Aurélie, tem ao seu lado Matthew Longstaff e Gaetan Durant, um ex-soldado inglês e um francês com vários conhecimentos de medicina. Já Spina conta com Dini e Chabal, dois monges fortes e arrogantes, e Mathern Schoff, um ex-advogado que acaba por se dedicar de corpo e alma à Igreja.

O perigo começa quando Spina captura e tortura Vescosi para obter informações sobre a localização da Biblioteca. O líder dos Otiosi, a cada dia mais sábio, envia-o para o sítio errado, numa busca inútil. Apesar disto, Vescosi e os seus companheiros têm de correr contra o tempo, porque Spina pode sempre conseguir decifrar os códigos e encontrar a Biblioteca primeiro.

Um thriller emocionante onde todos acabam por se tornar personagens principais, pois todos podem mudar o rumo da história. Por entre lutas e enigmas, o leitor acaba por conhecer melhor a Europa do século XVI. Pugh fez um trabalho magnífico ao descrever aprofundadamente o ponto de vista de cada grupo. O leitor acaba por viajar no tempo, numa obra que, apesar de extensa, tem um fio condutor extremamente interessante.

Não o considero, então, o “feito magnífico” que o escritor David Dickinson propõe, mas é sem dúvida “uma estreia apaixonante e envolvente que não se consegue parar de ler”, como diz a escritora Eve Harris. A Biblioteca dos Livros Proibidos, de Tom Pugh, é, sem dúvida, uma obra a acrescentar à lista de próximas leituras de todos.