Será disponibilizada a aplicação “Bladder Runner”, especificada para pessoas com esclerose múltipla que sofrem de problemas com a bexiga.

Duas plataformas foram apresentadas numa palestra que ocorreu na Escola de Medicina da Universidade do Minho, na última quinta-feira, entre elas a “Bladder Runner”. O objetivo principal é facilitar a vida de pessoas com esclerose múltipla, entre outros disfuncionamentos.

Antes de apresentar a sua aplicação, João Medeiros fala sobre ter esclerose múltipla. O mesmo afirma sofrer da doença desde 2011, dizendo que “não foi fácil, porque eu não sabia o que me estava a acontecer”. O caso do mesmo passaria por uma disfunção na bexiga, apontando as suas idas à casa de banho para assim avaliar o seu estado.

“Lembrei-me de passar estes apontamentos para uma aplicação que me fizesse a previsibilidade dos meus momentos críticos”, sendo que daí surge a ideia para o “Bladder Runner”. O criado, então, explica que pode “estar fora da minha zona de conforto e, se precisar mesmo de uma casa de banho, eu tenho a outra parte, que está no aplicativo, que me vai dar a geolocalização das casas de banho mais próximas”.

Cátia Barros / ComUM

A aplicação tem vindo a participar em concursos europeus e mundiais, garantindo classificações sólidas. A mesma estará disponível em iOS e Android, com data oficial ainda para anunciar.

Dentro dos temas da palestra, apresentou-se a Patient Innovation pela analista de soluções e gestora de comunicação da plataforma, Ana Duarte. Ficou, ainda, claro que a plataforma não procurava lucro ou qualquer tipo de investigação científica, sendo criada apenas para o benefício do utilizador.

Cátia Barros / ComUM

“O Patient Innovation recolhe este tipo de inovações por utilizador, ou seja, inovações criadas por doentes ou colaboradores”. A necessidade que conduziu para a criação desta plataforma surgiu quando se notou em diversos avanços na área da saúde a ser desenvolvida por doentes, que “inovavam e criavam produtos que não estavam no mercado”.

Assim sendo, a plataforma consiste na partilha destes descobrimentos na área da saúde, pela parte dos doentes, para a resolução dos seus problemas, interligando-se com a aplicação mencionada.