Star Wars: The Mandalorian estreou a 12 de novembro de 2019. A série, que expôs ao mundo um dos maiores fenómenos da internet do passado ano, conta as aventuras de um caçador de prémios da raça da que intitula a série.

Numa galáxia muito distante, alguns anos após os eventos de O Regresso de Jedi (1983), da trilogia original, somos apresentados a Mando. O protagonista é um dos poucos sobreviventes da raça mandalorian que resta na galáxia e trabalha como um caçador de prémios. É até, na realidade, um dos melhores na área.

Star Wars: The Mandalorian

Numa das missões que lhe foi encarregue, Mando acaba por se cruzar com o ser que conseguiu render a internet a toda sua fofura e a todo o seu carisma. Trata-se de um infante da mesma raça alienígena que o infame mestre jedi, Yoda. A partir do momento em que o vê, o caçador sente uma responsabilidade quase paternal pela criatura e decide protegê-lo de qualquer um que o tente ferir. Surgem, assim, diversas aventuras que vão pôr à prova as capacidades bélicas do personagem principal.

Nesta série podemos detetar algumas referências ao universo expandido da saga espacial, devido ao grande facto de um dos argumentistas ser Dave Filoni, que também direcionou e escreveu as series Star Wars: The Clone Wars (2008-2020) e Star Wars: Rebels (2014-2018). Isto facilita muito os “easter-eggs” e a maior conexão com universo originalmente criado por George Lucas, que viu a luz do dia em 1977.

Star Wars: The Mandalorian é um regresso as origens. A série não só se situa cronologicamente por volta dos anos da trilogia original, como também, e especialmente, utiliza efeitos especiais e transições características e típicas do estilo de Star Wars. É este voltar às raízes que explica o sucesso da série e que satisfaz tanto fãs dos anos 70 como os atuais.

Star Wars: The Mandalorian

Contrariamente ao que foi feito no início dos anos 2000, com as prequelas, neste projeto George Lucas resolveu voltar às origens. Desfez-se dos panos azuis e verdes e voltou à construção de cenários em estúdio e efeitos especiais manuais, o que aumenta a qualidade da cinematografia. Em vez de recorrer à construção gráfica e digital, a produção serve-se de cenários são reais para criar os ambientes exóticos de cada planeta explorado, aproveita-se dos efeitos de luz para embelezar e ambientar as cenas e usa rigorosos figurinos para atribuir realismo aos seres alienígenas e maquetes das naves espaciais para realizar as cenas em que se atravessa o escuro universo.

No entanto, também a prestação de todo o elenco enaltece o trabalho. Destaca-se em primeiro lugar, Pedro Pascal como protagonista, um caçador de prémios que, inicialmente, parece não ter emoções, mas que na realidade é bastante protetor e preocupado com os seus. Também Gina Carano se distingue como uma guerreira forte e independente, sem medo de assumir o comando. Mesmo que se tratem personagens novas, as últimas encaixam-se na perfeição no universo. Isto deve-se, em grande parte, à prestação dos que as representam.

Em suma, Star Wars: The Mandalorian é uma boa série para amantes de ficção-científica que estejam à procura de alguma aventura sem ser sempre com aquelas personagens de grande renome e fama. Com oito episódios, a primeira temporada destas peripécias espaciais já está completa. Contudo, uma segunda parte tem data de estreia marcada para outubro.