A espécie assimila amido e tem potencial para produzir biomassa e lípidos.

Uma equipa liderada por Ricardo Franco-Duarte, da Universidade do Minho, encontrou uma nova espécie de levedura em uvas nos Açores. Esta tem potencial para a produção de biomassa e lípidos. O trabalho foi publicado no “International Journal of Systematic and Evolutionary Microbiology” e envolve cientistas das universidades dos Açores, Minho e Liubliana (Eslovénia) e do Centro Laimburg (Itália).

A levedura é um microrganismo usado na produção de vinho, pão e cerveja. O alimento (substrato) favorito da levedura é normalmente a glucose, mas é dispendiosa. Assim sendo, tem-se procurado substratos alternativos e mais acessíveis, como o amido, que tem várias moléculas de glucose e surge no arroz, batata e trigo, entre outros. A levedura agora descoberta, Clavispora santaluciae, destaca-se precisamente por ter enzimas que degradam o amido, ou seja, pode ter muito potencial comercial.

Ricardo Franco-Duarte, do Centro de Biologia Molecular Ambiental (CBMA) da UMinho, explica que a nova levedura “abre perspetivas para potenciais aplicações na produção de compostos de valor acrescentado, como biomassa e lípidos”. A produção de substâncias de interesse industrial a partir de resíduos agroindustriais, por exemplo, é uma opção relevante, ao reduzir impactos ambientais e ao acrescentar valor aos resíduos.