No entanto, todas as atividades vão ser realizadas à distância devido à pandemia de covid-19.

O Planetário – Casa da Ciência de Braga vai levar a astronomia até as comunidades portuguesas de Moçambique e Timor Leste. A proposta surge no âmbito do projeto “Code learning with astronomical ideias” (CODELASTRO), que vai ser coordenado por Henrique Cachetas do Centro Ciência Viva.

O projeto pretende desenvolver experiências ligadas à exploração espacial, de satélites, naves espaciais e astronomia junto da Escola Portuguesa de Moçambique e da Escola Portuguesa de Díli Ruy Cinatti (Timor Leste). Segundo o diretor do Centro Ciência Viva de Braga, João Vieira, isto vai ser possível “através de pequenos “computadores”, denominados “microbits””.

A Casa da Ciência de Braga vai enviar para os dois países africanos cerca de 100 kits e manuais para cada uma das escolas. O objetivo é formar docentes e jovens para que no futuro sejam capazes de desenvolver outros projetos no seio da comunidade.

O CODELASTRO vai ser trabalhado com jovens a partir do 7º ano de escolaridade. “Queremos criar estruturas de trabalho que permitam aos alunos ter acesso a software e outras ferramentas, de modo a potenciar o seu conhecimento”, refere o responsável.