Ana Rita Araújo, investigadora do 3B’s Research Group descobre um composto da cortiça que pode ajudar na luta contra o Alzheimer.

Ana Rita Araújo, investigadora do I3B’s da Universidade do Minho, foi galardoada, esta quinta-feira, com o Prémio Jovem Biofísico 2021. Foi atribuído pela Sociedade Portuguesa de Biofísica pela descoberta de um composto da cortiça eficaz na luta contra o Alzheimer.

No âmbito da sua tese de doutoramento, Ana Rita Araújo redigiu o artigo “Vescalagin and castalagin reduce the toxicity of amyloid-beta42 oligomers through the remodelling of its secondary structure”. Iniciado em 2015, este trabalho científico foi publicado, no ano passado, na revista ChemCom, da Royal Society of Chemistry. Foi também o vencedor de um concurso que contemplou trabalhos de investigação elaborados em 2020.

O artigo explica de que forma alguns compostos naturais, que podem ser encontrados na cortiça, conseguem reestruturar proteínas com potencial patogénico. A presença da amyloid-beta42 no cérebro amplia a possibilidade de o indivíduo desenvolver Alzheimer no futuro. Segundo a investigadora da UMinho, “a amyloid-beta42 tem tendência a organizar-se e a formar placas que acabam por impedir as sinapses. Os compostos bioativos da cortiça conseguem inibir essa organização”.

Apesar de o processo de investigação ainda se encontrar numa fase inicial, a aplicação deste conhecimento poderá traduzir-se numa ferramenta eficaz e de extrema importância na luta contra o Alzheimer. Ana Rita Araújo apresentará o seu trabalho no congresso da Sociedade Portuguesa de Biofísica, que irá decorrer em meados de junho num formato digital.