Envolver o curso com a academia minhota é o principal objetivo das II Jornadas de Línguas Aplicadas.

A segunda edição das jornadas arranca esta segunda-feira, dia 10 de maio, e estende-se até quinta- feira, dia 13. Em entrevista ao ComUM, Hélder Pinheiro, Presidente do Núcleo de Estudantes de Línguas Aplicadas da UMinho (NELAUM), e Mariana Silva, presidente do Departamento Recreativo, contam os desafios da organização do evento. Ambos se mostram positivos e confiantes relativamente à adesão dos alunos ao mesmo.

Inclusão é a palavra de ordem das jornadas, um conceito “extremamente importante, especialmente nos dias de hoje”, salienta Mariana Silva. O principal objetivo é envolver os alunos do curso com a universidade, uma vez que “a cultura e a mentalidade, nos últimos anos, não tem sido muito associativa”, refere o Presidente.

O NELAUM, como atualmente existe, foi recriado há dois anos. Dada a juventude do núcleo, Hélder Pinheiro realça a necessidade de motivação dos colaboradores, em que muitos “nunca fizeram parte da organização de um evento”. Em nome da “criação de uma identidade dentro do núcleo”, foi preciso “andar um pouco com pinças em alguns sítios” e trabalhar a perceção dos colaboradores, explicando “porquê e como é que nós vamos fazer isto”.

Sobre a sensação de planear e estruturar, pela primeira vez, umas jornadas desta magnitude, Mariana Silva admite: “Nunca tivemos medo de arriscar, de falar com os professores ou de fazer os convites”. “Mesmo que eles nos dissessem que não”, adiciona.

De palestras e workshops até sessões de convívio, a programação engloba temas de variada ordem, tais como língua gestual portuguesa, tradução, legendagem, comunicação empresarial e pessoal, bilinguismo e gestão de tempo. “Quando contactamos os professores e os palestrantes, nós falamos sobre querer expandir os nossos horizontes”, diz Mariana Silva, daí algumas atividades estarem “fora do foco normal de LA”.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por NELAUM (@nela_uminho)

Quanto ao critério de seleção dos oradores, procuraram as pessoas referência dentro de cada tema, principalmente a nível nacional. “Uma relevância que seja atual, que possa acrescentar algo aquilo que nós queremos apresentar nas jornadas”, conferencia o presidente do NELAUM. É o caso de Hugo Veiga, chefe criativo na AKQA, tendo já sido galardoado com três Grand Prix no Cannes Lions. “Trabalhamos muito à procura destes nomes”, sublinha Hélder Pinheiro.

Ajuda, “sem dúvida, em termos de logística e em termos financeiros” o facto de o evento ser totalmente online. Por exemplo, Hugo Veiga vive no Brasil e só neste registo consegue participar.

“Queremos colocar o curso noutro patamar”, evidencia o presidente do NELAUM, acrescentando que querem “trazer o olhar das pessoas para as áreas de conhecimento do curso de Línguas Aplicadas”. Na perspetiva de Mariana, LA é um curso “muito polivalente” e, ao mesmo tempo, “um pouco desvalorizado”. Por isso, “as jornadas serão um ponto de afirmação pelo projeto ambicioso que nós tivemos”, remata Hélder Pinheiro.