Município de Braga adere à campanha até ao final de setembro.

O Município de Braga, em colaboração com a Associação de Ocupação Constante (ADOC), a Cruz Vermelha Portuguesa e a Synergia, aderiu à nova campanha de recolha de pontas de cigarro – Butt Hike. O objetivo desta recolha, que irá decorrer até ao final de setembro, é evitar que as beatas deitadas no chão cheguem ao mar.

Os colaboradores já recolheram os resíduos dos cigarros nas praias de Adaúfe, Merelim S. Paio, nas margens do rio Este e no Monte Picoto, num prazo de apenas duas semanas. O Município Bracarense apela a todos os outros Municípios que se unam neste projeto para impedir que mais beatas se espalhem através de linhas de água, que eventualmente acabarão no mar.

O propósito da campanha é apanhar o maior número de beatas em Portugal e usá-las para peças de artesanato com o objetivo de sensibilizar os portugueses para a ameaça que estes resíduos constituem para o ambiente. Como tal, na Quinta Pedagógica encontra-se um recipiente com a finalidade de acumular os materiais recolhidos durante o projeto. Mais tarde, as beatas serão recicladas.

Muitos pensam que as beatas são compostas por materiais biodegradáveis, que por isso não são prejudiciais para o meio ambiente. No entanto, segundo um relatório divulgado pela NBC News, que cita dados da ONG Ocean Conservancy, desde a década de 80 foram apanhadas 60 milhões de filtros de cigarros. Constituindo assim uma das principais ameaças ao ecossistema aquático, ultrapassando as palhinhas e os sacos de plástico.

É de relembrar que esta prática consiste numa contraordenação punível de coima entre os 25 e os 250 euros, uma vez que segundo o artigo 3º da Lei nº88/ 2019, “É proibido o descarte em espaço público de pontas de cigarros, charutos ou outros cigarros contendo produtos de tabaco.”, devido à sua ameaça ao planeta e ao ser humano.