O nome Billie Eilish já está tão enraizado no mundo de música que é estranho pensar que só em 2021 é que a artista lançou o segundo álbum. Em Happier Than Ever ouvem-se 16 faixas lançadas desde 2020 que só no dia 30 de julho de 2021 foram agregadas neste projeto.

Como consequência disso, observa-se um crescimento pessoal da artista desde as músicas mais antigas às conhecidas ainda este ano. É o caso de “Getting Older”, que fala precisamente de crescer, mas de uma forma abusiva. Billie lançou-se muito nova neste mundo e isso trouxe consequências. Por isso que é tão melancólica e silenciosa, recorrendo a sintetizadores.

theguardian.com

O que se destaca em “I Didn’t Change My Number” é a letra. Recorre novamente a técnicas mais eletrónicas para transmitir uma mensagem de ser matura para escolher quem são as pessoas mais importantes.

Uma das músicas mais únicas é “Billie Bossa Nova”. Billie Eilish homenageia a Bossa Nova brasileira e a música “Chega de Saudade” de António Jobim e Vinicius de Moraes. O rumo da letra lembra também esta música sobre o amor e da sensação de se apaixonar.

Em contrapartida surge “my future”. Nota-se novamente um tom melancólico, onde se ouve apenas um teclado inicial. No entanto, há uma reviravolta e passa-se para um ritmo mais funky. É das melhores do conjunto por ser muito versátil e mostrar a voz peculiar e pela mensagem relacionável de ansiar por um futuro positivo.

“Oxytocine” é bastante diferente das restantes. Usa a música eletrónica e uma voz mais distante para contar como sente a hormona do amor que é libertada durante a atividade sexual. Esta euforia abranda em “GOLDWING”. Com um início angelical, termina com uma batida também calma. Apresenta um tom de voz mais acelerado, como que a contrariar o início. Nesta faixa, pretende descrever a metáfora de uma artista que singrou no mundo da música sem ter nenhum trauma ou má experiência como se fosse algum tipo de anjo.

Uma das mais conhecidas do público é “Lost Cause”. Billie Eilish confronta alguém a quem já dedicou muito de si. Aproxima-se bastante do R&B, representando também uma ideia de libertação. Depois desta má experiência, ouve-se “Halley’s Comet”. Esta balada quase inocente representa o sentimento de se apaixonar. Nota-se na própria voz crua a emoção, levando esta faixa para uma das melhores.

Na opinião da própria, as palavras escritas em “Not My Responsability” são as mais bonitas que escreveu. Talvez por isso as publicou faladas e não cantadas. É toda uma peça sobre o seu corpo e a forma como as pessoas criticam o seu estilo. É acompanhada por um vídeo onde se vai despindo como provocação. Aproveitando a produção de “Not My Responsability”, ouve-se a continuação em “OverHeated”. Não é de todo monótona, há vários ritmos tanto na batida como na sua voz e carrega, mais uma vez, um significado muito importante.

A 11.ª faixa é a personificação de um dia cinzento. “Everybody Dies” é um poema que descreve a morte como algo natural que todos devíamos aceitar. É onde a voz mais prevalece, sendo que é quase hipnotizante ouvir esta faixa.

“Your Power” traz algo não muito normal para Billie Eilish. Faz grande uso de instrumentos mais acústicos como a guitarra. Conta a história de uma relação abusiva onde é transmitido desespero, mas ao mesmo tempo alívio por algo tão mau ter terminado. Para dar continuidade, aparece “NDA”. Uma particularidade desta música é o auto-tune utilizado em abundância, que foi uma opção claramente estilística, mas muito inteligente. Passar de uma voz normal para algo eletrónica ajuda a criar a ideia da ansiedade por não poder viver uma vida normal. Definitivamente que foi escrita numa altura em que lidava mal com a fama.

“Therefore I Am” foi um dos primeiros singles, quando Eilish ainda usava o icónico cabelo verde e preto. É uma faixa extremamente animada com influências de hip hop sobre as pessoas se aproveitarem do nome dela para obterem fama.

Por outro lado, “Happier Than Ever” é das músicas mais imprevisíveis do conjunto. De um início do género balada, termina-se num punk rock inquietante. É uma carta a uma pessoa que deixou por não ser feliz com essa pessoa. A mudança de géneros musicais pode simbolizar a passagem de estar triste para uma libertação e crescimento depois de uma experiência traumática.

Depois do fim de uma relação, Billie tenta distrair-se até se aperceber que o mundo funciona pela perspetiva masculina porque estão à frente dos cargos mais importantes. “Male Fantasy” é uma balada de início ao fim, adequada para terminar e capaz de deixar muitas pessoas a refletir sobre o mesmo assunto.

Para cada canção há muito a se dizer. Billie Eilish não está presa a nenhum género ou estilo e consegue ir desde baladas até Rock ou eletrónica sem perder qualidade. Que esta artista é única, já se pode admitir, mas Happier Than Ever representa um grande crescimento e um renascer da mesma.