Investigadores da Universidade do Minho são responsáveis pela iniciativa.

Uma equipa de cientistas do Centro de Engenharia Biológica (CEB) da Universidade do Minho está a desenvolver um novo projeto designado por EcoTech que vai ser concluído em 2022. O projeto é constituído por um conjunto de tecnologias biológicas que aproveitam toneladas de resíduos florestais para a produção de biocombustível, alimentos sustentáveis e embalagens funcionais de conservação de produtos alimentares.

O EcoTech vai permitir diminuir os desperdícios dos diversos setores da agroindústria e florestais através da extração de matérias-primas como celulose, hemicelulose e lignina. Essa matéria orgânica desperdiçada vai dar origem a outros produtos de grande valor e amigos do ambiente. José Teixeira, investigador do CEB e responsável pelo EcoTech, explica que “a exploração destes materiais para o desenvolvimento de produtos de alto valor tem uma grande importância na gestão e redução do seu depósito nos aterros e na sua valorização enquanto recurso renovável”.

A reciclagem eficiente e segura destes resíduos traz não só benefícios ambientais, mas também económicos, visto que esta prática vai revalorizar uma produção ecológica derivada de excedentes naturais, promovendo um desenvolvimento sustentável. O investigador do CEB acrescenta ainda que “a otimização da utilização destes recursos naturais e destas matérias-primas vai constituir um elemento central para contribuir para um crescimento das indústrias amigo do ambiente, inovador e de valorização económica dos processos”. O EcoTech vai ser também uma solução para a acumulação de detritos florestais provocada pelas centenas de incêndios que Portugal é vítima anualmente.