Carlos Malvarez nasceu a 28 de outubro de 1986, em Lisboa. Licenciado em Teatro, pela Escola Superior de Teatro e Cinema, fez o estágio de formação de artes performativas Voyages du Geste em Chiny (Bélgica, 2008). No mesmo ano, tornou-se ator profissional. Treze anos depois, celebramos as suas 35 primaveras.

Ainda longe dos ecrãs, Carlos Malvarez participou em inúmeras peças de teatro, nomeadamente Ao Longe Além Ali Mesmo (2008), Não és Beckett, não és nada e Loucos Por Amor (2009), Uma Família Portuguesa e O senhor Puntila e o seu criado Matti (2010). Em 2010, chegou a estreia televisiva do ator na sétima temporada de Morangos com Açúcar, Vive o Teu Talento (MCA 7).

DR

Nos MCA 7, Carlos Malvarez deu vida a Nuno. Já não era a primeira vez que a Plural abordava a temática. No entanto, a sua personagem acabou por ganhar destaque mediático, uma vez que era homossexual e desenvolveu um relacionamento com Fábio (Miguel Santiago), um jovem rapaz que não conseguia assumir a sua sexualidade.

Na altura, o autor da série juvenil, José Pinto Carneiro, explicou não haver muito espaço na televisão para cenas explícitas de homossexualidade. Longe de querer causar polémica, ficou a vontade de trazer à tona a discussão de um tema importante.

Após a sua participação nos MCA 7, Carlos Malvarez prosseguiu com a sua estadia nas peças de teatro, nomeadamente com O Fidalgo Aprendiz e A Purga, em 2011, e Os Juramentos Indiscretos, em 2012. Para além disso, em 2011, aventurou-se no mundo do cinema, com A Morte de Carlos Gardel de Solveig Nordlund. Com este filme, arrecadou uma nomeação para o prémio L’Oréal Paris – Young Talent “Cinema”, já a peça de teatro Purga garantiu-lhe a nomeação para o prémio Autores SPA “Best Theatre Actor”.

Ainda em 2012, Carlos Malvarez participou na série Maternidade da RTP1. Em 2013, seguiram-se as participações nos projetos da TVI Bairro Estrela Polar, Destinos Cruzados e I Love It. Enquanto Francisco, ex-toxicodependente, assumiu-se como explosivo e “especialista a roubar de esticão”. Já, enquanto Ricardo Falcão Coentrinhos, representou um autêntico playboy, que, perante dificuldades económicas, enveredou, também, pela marginalidade.

DR

Seguiram-se a série televisiva Os Filhos do Rock (2013-14), com o seu Zé Leonel, o filme O Bairro (2014) e o Amor Impossível (2015). No ano de 2015, fez parte da telenovela A Única Mulher. Um ano mais tarde, fez parte do elenco da série da RTP Aqui tão Longe. Em 2017, regressou à TVI, com Inspector Max. Em 2019, participou no filme Variações. Já 2020 reservou-lhe uma estadia permanente na RTP1, com O Atentado, Cá Por Casa e O Mundo Não Acaba Assim.

Recentemente, Carlos Malvarez garantiu uma perninha na telenovela Bem Me Quer (2020 – ), da TVI. Em breve, podemos, ainda, contar com a sua participação na série televisiva Encarregados de Educação e na adaptação cinematográfica de O Esqueleto de Camilo Castelo Branco – “a história de adultério e amor entre personagens com grande diferença de idades” -, por parte da Marginal Filmes Portugal.

Os projetos referidos encontram-se, até ao momento, em pós-produção. No entanto, Carlos Malvarez já está a gravar Ao Largo (2022). No projeto, dará vida a Bruno, um homem enigmático que colabora com a personagem de Joaquim Monchique. Por entre a vida criminosa, Bruno deparar-se-á com um enigma – “seguir com a vida que leva ou dedicar-se à sua paixão, que não se coaduna com a vida de mafioso”. Enquanto aguardamos para rever o seu trabalho de ator, resta-nos desejar-lhe um feliz aniversário.