Homem do jogo: Yan Matheus

O avançado brasileiro foi o homem do jogo, tanto para o ComUM como para as identidades organizadoras, pelos dois golos apontados. Para além dos seus tentos, o jogador de 23 anos foi um dos elementos mais importantes do caudal ofensivo do Moreirense FC. Uma exibição individual que é refletora do excelente encontro dos cónegos.

Em cima:

Felipe Pires

O extremo brasileiro foi um dos melhores jogadores do encontro devido aos seus sucessivos ataques e cruzamentos cruciais. Foi também importante no aspeto defensivo, onde anulou regularmente as investidas vitorianas.

Ibrahima Camará

O médio guineense foi um dos elementos dos cónegos em maior destaque em todos aspetos, defensivos e ofensivos, do jogo. Fez a assistência para o primeiro golo dos cónegos e criou algumas ocasiões de muito perigo para a baliza de Bruno Varela.

Em baixo:

Linha defensiva do Vitória SC

Durante quase todo a partida, a defesa vitoriana esteve muito passiva e deixou os atletas do Moreirense FC trocar a bola com facilidade dentro da grande área. Prova disso são os três golos sofridos, reveladores da falta de intensidade e marcação da linha defensiva vimaranense, e os sucessivos erros criados que poderiam abrir caminho a mais golos do lado visitado.

Passividade do Moreirense FC nos últimos sete minutos do encontro

Já nos minutos finais, o Moreirense FC abrandou o seu ritmo de jogo, sobretudo pelo possível cansaço acumulado e pela vantagem de três golos, e permitiu aos Conquistadores reduzir a desvantagem para apenas um golo. No entanto, se o juiz da partida tomasse a decisão de dar mais do que os três minutos de compensação atribuídos, o Vitória SC poderia ter levado a partida para o prolongamento. O único reparo a fazer à exibição muito bem conseguida dos cónegos.

Recorde aqui as incidências da partida.