Depois da primeira vitória na Liga Placard, fafenses saem de Lisboa com uma pesada derrota.

Na tarde deste sábado, o Nun’Álvares deslocou-se até ao Pavilhão Fidelidade, em Lisboa, para defrontar o SL Benfica. A equipa acabou por sair derrotada por 7-1, num jogo que contou para a jornada dez da fase regular da Liga Placard Futsal.

Este era um jogo em que o Nun’Álvares tentava dar seguimento à primeira vitória conquistada na liga na jornada anterior e que começou bastante intenso. Logo aos 55 segundos de jogo, Ivan Chishkala, jogador do Benfica e o melhor marcador do campeonato, rematou para defesa de Vasco Ribeiro. Um minuto depois, Bruno Cintra rematou ao lado. Depois, apesar de por pouco tempo, a equipa do Nun’Álvares deixou a timidez de lado e fez dois remates, por Caio e Dudu, que serviriam de aviso para o que iria acontecer perto do minuto cinco por Kaique: o golo dos minhotos, num lance onde Nilson e Martim Figueira, guardião do Benfica, não ficaram bem na fotografia.

Passados 20 segundos do golo dos visitantes, o Benfica teve a oportunidade de restabelecer a igualdade, mas Nilson, com a baliza aberta, cabeceou ao lado. Do outro lado, Kaique Melo parecia não estar contente com um golo e alvejou novamente a baliza encarnada, mas desta vez Martim Figueira defendeu e cedeu canto. O jogo estava bom, e depois desse lance, o Benfica começou a impor-se verdadeiramente no jogo e aos 11 minutos, o Benfica chegou mesmo ao empate por Bruno Cintra, ex-SC Braga/AAUM, num remate colocado.

O SL Benfica continuava a carregar, com mais uma tentativa de Bruno Cintra que tentou fazer um “chapéu” ao guarda-redes do Nun’Álvares, depois de uma perda de bola dos minhotos na fase de construção. Destaque também para um remate de Robinho para nova intervenção de Vasco Ribeiro, que deixou a bola à mercê de Fits, mas este rematou ao lado.

No entanto, não marcou Fits, marcou Tayebi. O iraniano consumou, quando faltavam seis minutos e meio para o final da primeira parte, a reviravolta dos encarnados, assistido por Arthur. Tayebi e Arthur que, depois de terem construído o segundo golo das águias, voltaram novamente a ameaçar a baliza do Nun’Álvares. Os minhotos não conseguiam criar perigo e foi o Benfica que voltou a alterar o marcador com uma grande penalidade conquistada por Rafael Henmi e convertida por Tayebi, quando estavam decorridos dezasseis minutos e 35 segundos de jogo.

Depois desse golo, o Benfica voltou à carga por Fits, mas Vasco Ribeiro voltou a defender o remate. Vasco Ribeiro era o mais inconformado e foi responsável por ter mantido viva a equipa de Fafe durante um bom tempo da primeira parte. O jogo podia ficar mais animado perto do final dos primeiros 20 minutos, quando Dudu ameaçou Martim Figueira, que defendeu o seu remate com o pé direito. Ainda assim, quando faltava pouco mais de meio minuto para o intervalo, Pulpis, técnico do Benfica, pediu desconto de tempo e chamou os seus homens ao banco para trabalhar um livre. Dessa bola parada acabou por sair o quarto golo dos encarnados, autoria de Arthur. Deste modo, 4-1 era o resultado ao intervalo.

Na segunda parte, a história mudou. António Aires, treinador do Nun’Álvares, não estava satisfeito e passou, praticamente até aos cinco minutos finais, a atacar sempre com guarda-redes avançado, para criar superioridade numérica. Os minhotos conseguiram estar bastante tempo por cima do jogo e criaram cinco oportunidades de golo que obrigaram o guarda-redes do Benfica a cinco boas defesas. No entanto, ao passo que os minhotos não convertiam as suas oportunidades, o Benfica, apesar de não ter o mesmo volume ofensivo de jogo do primeiro tempo, voltou a marcar por três vezes. Robinho fez um belo golo com uma excelente execução técnica sem deixar a bola cair no chão e Tayebi anotou mais dois tentos e chegou ao poker.

Apesar de não terem tido tantas oportunidades na primeira metade do segundo tempo, as águias ainda criaram alguns calafrios ao adversário no segundo tempo. Destacaram-se um remate de Chishkala, um de Afonso Jesus e um de Arthur, este último para uma boa defesa de Garcez, que tinha entrado ao intervalo para o lugar de Vasco Ribeiro. Nesta partida, destaque ainda para a entrada de dois jovens da formação do Benfica: Diogo Augusto, com 17 anos, que ainda obrigou Garcez a aplicar-se e Pedro Marques, de 16 anos, que deixou bons apontamentos técnicos.

Com este resultado, o Nun’Álvares continua a ocupar a última posição da Liga Placard Futsal, com três pontos conquistados. Na próxima jornada, a disputar a cinco de dezembro, a equipa de Fafe vai defrontar o Futsal Azeméis, que era no início desta jornada quinto classificado

Recorde ainda: Nun’Álvares vence pela primeira vez na Liga Placard