A iniciativa pretendeu dar visibilidade ao trabalho do escritor russo enquanto celebra os 200 anos do seu nascimento.

A exposição “Obras de Fiódor Dostoiévski no Cinema e no Teatro” foi inaugurada esta sexta-feira, dia 14 de janeiro, no espaço b-lounge da Biblioteca Geral da Universidade do Minho, em Gualtar. As obras podem ser visitada até ao dia 25 de fevereiro com entrada livre.

A iniciativa organizada pela UMinho, através do CEHUM e dos Serviços de Documentação e Bibliotecas, e pela Fundação Mundo Russo tem o apoio da Casa da Rússia em Lisboa. Na sessão estiveram presentes o conselheiro da Cultura da Embaixada da Rússia, Vladimir Iaroshevskii, o investigador Flávio Vassoler, do Centro de Estudos Humanísticos da UMinho (CEHUM), e a professora Nadia Machado, da Escola de Letras, Artes e Ciências Humanas da UMinho.

Durante o evento foi possível assistir a dezenas de referências a filmes e performances marcantes acerca dos projetos do escritor russo, como Crime e castigo (1866) ou Os irmãos Karamazov (1879). A exposição visa comemorar o marco dos 200 anos do nascimento de Dostoiévski (1821-1881), que é visto por muitos como um dos maiores escritores e pensadores do mundo.

Ao longo da sua carreira, o autor publicou oito romances, mais de 20 novelas, contos, memórias e escritos jornalísticos. O escritor atraiu ainda a atenção dos leitores pela sua narrativa original e psicologista, além dos movimentos que organizou no âmbito do expressionismo, surrealismo, existencialismo, nietzscheanismo, psicanálise e teologia da crise.

Dostoiévski formou-se em engenharia, foi editor em revistas, percetor e ativista e chegou a ser exilado para a Sibéria, onde pertenceu ao grupo revolucionário anticzarista. A sua marca no mundo é homenageada através de estátuas, selos, moedas e com o Dia Dostoiévski, em São Petersburgo, cidade onde veio a falecer.