Dia 14 de fevereiro, celebramos o Dia dos Namorados. Porém, nem só de paixões ardentes se faz o Amor. Neste dia em que celebramos um dos sentimentos mais fortes e complexos, devíamos aproveitar para refletir sobre todas as nuances, boas e más, de todos os tipos de relações. Para isto, reunimos uma lista de produções para refletir e recomendar a alguém especial.

Cinema e TV

O Diário da Nossa Paixão (2004)- O famoso romance de 2004 narra o relacionamento entre Noah Calhoun (Ryan Gosling), um trabalhador humilde, e Allie Hamilton (Rachel McAdams), uma rapariga proveniente de uma família abastada. Devido a esta diferença de estatutos, o jovem casal estaria destinado a não se relacionar. Contudo, esta diferença não se demostra uma barreira entre os dois personagens que vivem um inesquecível amor de verão, aceso perante todas as peripécias que o advertem. Este filme é um clássico entre os romances que reservam um lugar privilegiado no coração de quem o vê. Prova-se um must-watchpara todos aqueles que estão apaixonados ou que sonham com uma paixão como esta. (Título Original: The Notebook)

Brokeback Mountain (2005)Brokeback Mountain relata a história de Jack Twist (Jake Gyllenhaal) e Ennie Del Mar (Heath Ledger), dois jovens que, no verão de 1963, ao trabalharem juntos como pastores em Brokeback Mountain, vivem um romance que os marcará para a vida. Lançado em 2005, esta longa tornou-se um dos filmes mais icónicos e mais bem-sucedidos e retrata um romance homossexual, apesar de controverso para o seu tempo. Esta estória trágica demonstra-se uma excelente opção como filme de Dia dos Namorados. Um filme lindíssimo, que demostra um visível respeito e cuidado no tópico que aborda e dá uma cara diferente às histórias de amor proibido a que fomos habituados. (Título Original: Brokeback Mountain)

500 Dias com Summer (2009) – Eis uma escolha polémica. Será um filme que desafia e põe em causa o amor uma boa escolha para um dia como o de hoje? Sim, é uma ótima escolha e passo a explicar. 500 Dias com Summer demonstra que numa relação não existem dias perfeitos, existem incertezas e dúvidas. A relação dos protagonistas passa por altos e baixos, até culminar no desfecho que, no mínimo, é surpreendente. E perguntam outra vez, será este um bom filme para um dia que se quer perfeito, sem dúvidas nem hesitações? Outra vez respondo: sem dúvida. Relembremos no Dia do Amor, que nem tudo nele é um mar de rosas. (Título Original: 500 Days of Summer)

Meia-Noite em Paris (2011) – Se nos pedirem para associarmos a palavra “amor” a qualquer cidade do nosso globo, existe uma enorme probabilidade de Paris ser a escolha. E ninguém melhor que Woody Allen para nos entregar uma comédia romântica, com um toque de realismo fantástico, que consagra Paris como A verdadeira Cidade do Amor. A obra cinematográfica, tanto nos faz rir, como nos faz questionar o que será o verdadeiro amor. Será benéfico permanecer no passado e não aproveitar o presente? Podem esperar gargalhadas e momentos de ternura nesta comédia romântica, perfeita para celebrar, sozinho ou acompanhado, o Dia de São Valentim. (Título Original: Midnight in Paris)

Spencer (2021) – Num dia de celebração do amor, podemos acabar por focar somente a paixão, mas existem outras formas de amar, que pesam da mesma forma na vida das pessoas. Spencer (2021) pode parecer uma escolha aleatória para constar nesta lista mas, apesar de parecer uma vertente egoísta na representação da Princesa Diana, a longa-metragem concretiza, sem falhas, o amor de mãe. Embora atravesse um momento de decadência emocional, Diana ama os seus filhos como as pessoas mais importantes da sua vida e não são deixadas dúvidas quanto a isso. (Título Original: Spencer)

 

Música

“My Funny Valentine”, Frank Sinatra (1954)– Na realidade, a origem de “My Funny Valentine” remonta a 1937. Porém, entre as mais de 600 interpretações diferentes, é a de Frank Sinatra que mais nos aquece o coração. Esta, que é uma das vozes mais poderosas da história musical, não nos deixa desiludidos nesta interpretação. A faixa que integrou o álbum Songs for Young Lovers (1954), fala de um amor incondicional. O intérprete pede que a amada, apesar de ter os seus defeitos, não mude um único cabelo por ele, visto que ela o faz sentir que todos os dias são o Dia dos Namorados.

“Thinking Out Loud”, Ed Sheeran (2014)- Tudo em “Thinking Out Loud” é romântico, clichê e totalmente inesquecível. O clássico do compositor britânico Ed Sheeran é uma autêntica declaração de amor, cuja lírica evoca o sentimento de resiliência amorosa e de fidelidade eterna. Um clássico que conjuga o ambiente sonhador, através dos acordes suaves de guitarra, com uma lírica emocionante e crua de um sentimento arrebatador. Um item indispensável na playlist dos apaixonados e uma ótima escolha para dedicar àquela pessoa especial.

“Tell Me”, Johnny Jewel ft. Saiorse Ronan (2015)Numa melodia gentil e que seria a banda sonora perfeita para um sonho, “Tell Me”, de Johnny Jewel acompanhado por Saiorse Ronan, narra-se a si própria. Seja amizade, amor de família ou um romance ardente, esta canção retrata eximiamente o que é o amor. Ademais, fala do sentimento de jamais desejarmos abandonar ou sermos abandonados pelas pessoas que amamos. Sem sobra de dúvida, é uma das canções que melhor sintetiza o que é amar alguém.

“Fool For You”, Snoh Aalegra (2017)- “Fool For You” foi o último single lançado para o álbum de estreia de Snoh Aalegra, FEELS (2017). Esta balada de amor que mistura Soul e R&B deu-nos a conhecer o verdadeiro potencial da voz quente de Snoh. Com a companhia de guitarras melancólicas, a cantora sueca fala-nos sobre um amor intenso e com vontade de ser vivido, mas sem esquecer o medo de sair magoado e fazer má figura no final da história. Um tema para refletir nas consequências dos amores intensos e na ponderação de os viver e aprender ou, por outro lado, de nos salvaguardarmos.

“All Night Parking (With Erroll Garner) Interlude”, Adele (2021)- Lançada a 19 de novembro de 2021, “All Night Parking (With Errol Garner) Interlude” integra o mais recente álbum de estúdio de Adele. Com uma aura de puro jazz, trazida pelo piano de Erroll Garner e pelos sons subtis do trompete e violino, o tema revela-se uma ótima escolha para esta data romântica. A letra, por sua vez, também tem bastante ligação com o Dia dos Namorados, visto que toda a carga emocional é trazida pelos temas do amor e da paixão e das consequências dos mesmos.

 

Literatura

Editora: Oficina do Livro

Mulherzinhas (1868)- Constituindo-se como uma estória sem igual, Mulherzinhas é um livro de excelência, que se sucedeu em centenas de adaptações no cinema, no teatro, na música e em outras formas de arte. Mulherzinhas não preconiza a ideia de que família é família devido ao sangue, mas sim o facto de uma família ser o amor que se sente pelo outro. Esta obra desenvolve de forma belíssima a relação entre quatro irmãs, atormentadas pelos obstáculos da vida. Porém, o amor permanece sempre intacto. (Título Original: Little Women)

Editora: Companhia das Letras

Sula (1973)- Existe mais laço mais forte do que a amizade? Para Sula e Nel, não. Neste livro de Toni Morrison, duas jovens adolescentes constroem uma amizade tão profunda que prometem uma à outra partilhar tudo sobre as suas vidas, independentemente do resto. As meninas foram crescendo e tornaram-se adultas. Cada uma com os seus desejos e personalidades vincadas. Quão impactante foi o amadurecimento na relação das duas melhores amigas? Uma obra incrível para refletir no efeito do crescimento individual nas relações. (Título Original: Sula)

Editora: Europa-América

Olho de Gato (1988) – Em Olho de Gato, Margaret Atwood pinta a vida de Elaine, uma pintora fictícia. Ao longo da obra, a jovem pintora reflete sobre a sua infância e adolescência. As memórias mais marcantes que a mulher carrega dentro de si são de Cordelia. Cordelia era a líder de um trio de raparigas extremamente cruel e, ao mesmo tempo, extremamente bondosas para com Elaine. Durante a leitura do livro, percebemos o quanto estes anos tiveram influência na protagonista e na sua perceção do mundo e das relações. (Título Original: Cat’s Eye)

Editora: Topseller

Isto Acaba Aqui (2016) – Há quem diga que o amor dói. E efetivamente Isto Acaba Aqui tenta explorar essa ideia. Pelo menos, seria o que alguém que vive numa relação abusiva diria. Neste livro, acompanhamos o desenrolar da vida de Lily que, apesar de desprezar o pai devido aos seus comportamentos tóxicos para com a mãe, acaba por se apaixonar por um cirurgião e caí na situação que a fez sofrer anteriormente: a violência doméstica. Entre uma trama melancólica e aterrorizadora, o leitor vai presenciar muito mais que momentos dolorosos. Contudo, vai existir sempre a esperança de que há amor naquela situação. (Título Original: It Ends With Us).

Editora: Editorial Presença

Conversas entre Amigos (2017) – De forma extremamente matura e sem deixar que questões de sexualidade se sobreponham ao decurso da narrativa, Conversas entre Amigos ultrapassa o título de romance e mistura amizades, relações amorosas e relações de poder. Frances é uma estudante e escritora que apresenta as suas peças juntamente com Bobbi, a sua ex-namorada. Quando as duas conhecem Melissa, uma ensaísta e fotógrafa de renome, e consequentemente, Nick, o marido de Melissa, as relações entre as quatro partes intensificam-se em muitos sentidos. (Título Original: Conversations with Friends)

Artigo escrito por: João da Silva, José Luís Vale, Lara Inês Freitas, Lara Oliveira, Leonor Alhinho e Letícia Oliveira.