A exposição transcreve “a busca incessante pela perfeição” e “a aceitação de não a conseguirmos alcançar”.

A partir do dia 5 de fevereiro, a Casa-Museu Soledade Malvar, em Vila Nova de Famalicão, passa a acolher a exposição “Penélope”. Sendo assim, até dia 18 de março, de terça a sexta-feira, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 17h30, os famalicenses têm a oportunidade de conhecer “uma tela que é continuamente feita e desfeita, em busca de algo inalcançável”.

A exposição, da autoria da artista famalicense Vera Silva, é do resultado de um “tecer e entrelaçar de memórias num objeto que é, na sua essência, parte de quem as tece”. Um resultado que “não é apenas o objeto, mas sim toda a sua envolvente e o desenho que a luz que nele incide, cria, tornando a sua sombra parte da obra também”.

Nas palavras da artista, a seleção do nome “Penélope” teve origem na “lenda da personagem (da mitologia) grega, com o mesmo nome. Penélope tecia o seu manto durante o dia e desfazia-o durante a noite. Apesar de o ter feito com um propósito específico, esta lenda, para mim, sempre significou uma busca incessante pela perfeição, e sobre a aceitação de não a conseguirmos alcançar”.