Nesta quarta-feira, dia 13 de abril, celebra-se o Dia do Beijo. Um beijo pode ser dado nas mais diversas circunstâncias e no âmbito das mais diferentes relações interpessoais. No entanto, representa sempre um sentimento e o desejo de estar fisicamente em contacto com alguém. Com o intuito de não deixar passar em branco este dia, o ComUM reuniu uma lista dos melhores beijos da história do Cinema e da TV.

Cena Final, Cinema Paradiso (1988) – Os beijos proibidos do Cinema Paradiso já se tornaram um clássico do grande ecrã. A cena final em que vemos uma compilação dos mais apaixonantes beijos da sétima arte, outrora censurados pelo padre da pequena cidade, é um grito ao amor e uma belíssima e comovente homenagem à profundeza do cinema. Ao som da trilha absolutamente mágica de Ennio Morricone, a expressão física da paixão e da cumplicidade de dois amantes projeta-se aos olhos inundados de lágrimas daqueles que se sentam, por vezes sozinhos, na plateia: os amantes de cinema. (Título Original: Cinema Paradiso)

 

Vivian e Edward, Pretty Woman (1990) – é previsível que uma prostituta não se incomode de todo com relações sexuais, porém, algo único de Vivian Ward é o significado que esta ofereceu ao ato de beijar. Inicialmente, a protagonista avisa Edward, o seu novo cliente, que não beija na boca durante o seu serviço, algo que muda ao longo do desenvolvimento do interesse romântico entre os personagens. Após uma hora e 30 minutos de filme, observamos o primeiro beijo entre os apaixonados. Enquanto Edward dorme, Vivian aproximasse da sua boca e beija-o, algo discreto que rapidamente se torna apaixonado e intenso assim que este abre os olhos e a observa, aliviado por finalmente poder sentir os seus lábios. (Título Original: Pretty Woman)

 

Allie e Noah, O Diário da Nossa Paixão (2004) – Lançado em setembro de 2004, The Notebook continua a ser um dos grandes romances dos últimos anos. Conhecido pela sua admirável homenagem a um melodrama que se encontra dentro da própria narrativa, o espetador alimenta a nostalgia por rodas gigantes, e amores incondicionais. Para o Dia do Beijo podia nomear várias partes desta obra. No entanto, a cena do lago deixa rastos na nossa procura por um bom beijo. Todo o cenário é propício a um momento único, o passeio de barco, a chuva e uma história mal-acabada. Num ápice de segundos, Allie e Noah apercebem-se que aquela paixão sobrevive a qualquer linha do tempo e, é o beijo que sela esse amor intenso e invejável. O espetador quase que se esquece que está no mundo da ficção e atira-se de cabeça para a história. (Título Original: The Notebook)

 

Peter Parker e MJ, Homem-Aranha 2 (2004) – O beijo de Peter Parker e MJ no Homem-Aranha 2. O momento que ficou gravado nas nossas memórias para todo o sempre. Quem diria que uma pessoa vestida com um fato de super-herói pendurada numa parede de tijolos de pernas para o ar iria protagonizar um dos beijos mais icónicos na história do cinema. Está tudo certo nesta cena memorável, existe uma luta intensa entre bandidos, chove em abundância e no fim disto tudo temos Peter ao contrário, MJ a tirar a máscara e um dos melhores beijos da história do cinema. (Título Original: Spider-Man 2)

 

Elio e Oliver, Chama-me Pelo Teu Nome (2017) – O primeiro beijo entre os personagens Elio e Oliver é um explicito reflexo da premissa que Chama-me Pelo Teu Nome se debruça, o coming of age. Com isso, é tangível o sentimento de nervosismo e de excitação por parte dos personagens, apesar de Oliver se aparentar mais firme e controlado. O moldar do espaço para o climax do primeiro beijo é algo de se dar destaque, uma vez que, demostra, em apenas gestos, a abertura de Elio para este momento, num lugar que lhe é querido e sobretudo privado, que apenas se deixa invadir por Oliver. Uma clara reflexão do explorar da sexualidade, o que torna esta cena tão marcante, e igualmente prazerosa, é essa diferença de comportamentos que se faz sentir entre os personagens, onde são puxados os limites do “correto”, e a ousadia da imaturidade de Elio permite o contacto com uma realidade por explorar, de euforia e, mais tarde, de abatimento. Apenas extraordinário. Um ponto que é interessante ressaltar seria a boa relação e a química entre os atores principais, Timotheé Chalamet (Elio) e Armie Hammer (Oliver), que transpareceu nas grandes telas e muito contribuiu para o grande impacto desta cena. Como o Hammer relatou numa entrevista sobre “Then (crew members) had to pull us apart, we just got so into it.“. (Título Original: Call Me By Your Name)

 

Eliott e Lucas, SKAM France (2018 – ) – Falar dos melhores beijos no mundo cinematográfico significa ir além do universo da estética e daquilo que concebemos como contacto físico. Um bom beijo conta uma história, em cada elemento, movimento ou olhar.  É parte de algo maior e, por este motivo, a cena brilhante protagonizada por Elliot e Lucas na série Skam, não podia ser deixada de fora. Os dois protagonistas retratam a força do amor num momento de intimismo e de pura liberdade individual. Este sentimento é reforçado por um cenário imerso de cores, como sinal de insubmissão ao que a sociedade quer definir como norma. Neste momento os dois rapazes envolvem-se numa guerra de tinta, em que existem, apenas, no seu próprio mundo. Acabando por ceder aos sentimentos que nutrem um pelo outro, caiem num beijo desesperado e apaixonante extravasando tudo o que foi reprimido. Assim, ambos escapam da prisão social em que estão inseridos, num ato de manifesto por um dos valores mais valiosas da espécie humana, o amor. (Título Original: SKAM France)

 

Lee Yeon e Nam Ji Ah, Tale of The Nine Tailed (2020) – O que caracteriza um bom beijo para o grande ecrã é, além do enredo envolvente, a química entre os atores e isso não falta em Tale of The Nine Tailed. No drama dá-se um dos melhores beijos aquando do reencontro entre as personagens na chuva, no episódio 9. Através do beijo apaixonante e repleto de saudade, dá não só para perceber química, como também o profissionalismo de Lee Dong-Wook e Jo Bo-Ah na forma como se “dão” às personagens. (Título Original: Tale of the Nine-Tailed)

 

Simon e Wilhelm, Young Royals (2021) – É na última cena do segundo episódio de Young Royals que vemos o primeiro beijo entre Simon e Wilhelm. Na série, este momento cimenta a relação entre os dois personagens principais. Uma cena com uma carga emocional muito forte e que é explorada com muita subtileza e carinho. As emoções dos personagens retratam não só o nervosismo do primeiro beijo, mas também a ansiedade que muitas pessoas queer sentem quando beijam a sua cara-metade em locais públicos. (Título Original: Young Royals)

 

Artigo por: Ana Beatriz Ferreira, Cláudia Araújo, Emanuel Brandão, Ilda Lima, José Vale, Lara Inês Freitas, Lara Oliveira e Letícia Oliveira