Com a grande sequela “Spider-Man: Across the Spider-Verse” veio um extraordinário soundtrack produzido por Metro Boomin. Lançado a 2  de junho de 2023, a trilha sonora conta com as vozes de vários artistas reconhecidos e aplaudidos mundialmente, entre eles A$AP Rocky, James Blake, Future, Don Toliver, Roisee e Lil Uzi Vert. Se um conjunto infinito de variações, melhoramentos e oportunidades é aquilo que define o filme “Spider-Man: Across the Spider-Verse”, também define o progresso e o futuro da carreira de Metro.

Beatmaking France

Ainda fresco do sucesso que fez com o seu álbum de regresso, recentemente certificado com platina em 2022, “Heroes & Villains”, Metro Boomin traz uma tentativa, bem conseguida, de criar música para dançar e vibrar. Reconhecido pela sua produção e influência no hip hop moderno e no trap, a música de Metro sempre teve um toque cinematográfico. Sem grandes dificuldades, o produtor demonstra incríveis capacidades na criação de espetáculos sonoros desde que surgiu em 2009. Em entrevista a Variety, Metro Boomin demonstrou-se descontraído face ao sucesso de “Sunflower”, com Post Malone a bater recordes, e afirmou querer apenas fazer boa música. Algo que se verificou e colocou o seu álbum perto do patamar anterior, com bilhões de reproduções.

A abertura do álbum é feita com “Annihilate”, com vários sintetizadores do coprodutor Mike Dean a trazer bateria e samples de Metro a acrescentar um toque de cor à música. Esta faixa traz precisamente a realidade do aranha humano (“Suit up and swing though the city”) e o rap de Lil Wayne e Offset contribui para um ritmo acelerado que leva a nossa cabeça a acompanhar.

A acrescentar às melhores pérolas do álbum surge a “Am I dreaming”. A faixa apresenta os créditos finais do filme e faz com que qualquer um comece a levitar da cadeira com o seu toque orquestral. A melodia traz emoção e a letra não escapa a esta retórica. Apesar de ser comum a voz de Roisee ficar bem com qualquer letra, nesta música ela quebra as expectativas e é a cereja no topo do bolo, já A$AP Rocky não deixa de surpreender. Sempre com o seu incrível talento nos versos de rap, o artista encara o personagem e interpreta a vida de Miles Morales na perfeição (“One of a kind, one of one, the only one”).

O groove de “All The Way Live” soa tão bem como a voz de Future que o acompanha e a simplicidade de “Self-Love” talvez caísse no aborrecimento sem a presença de Coi Leray para animar a faixa. Metro, juntamente com os seus coprodutores, fez um trabalho fantástico ao alargar a sua experiência, trazendo progresso e novidades. O artista tanto trouxe calma na guitarra (“Home“), como fez com que os sintetizadores dessem cor, animação e um toque de Afrobeat às faixas (“Link Up“). As mãos de Metro Boomin oferecem a melhor direção possível às diferentes músicas.

Os features são um ponto forte deste álbum e isso verifica-se com A$AP Rocky, como já foi mencionado, e com Lil Uzi Vert a personificar na perfeição o isolamento do Homem-Aranha em “Home” (“And I can’t help that everyone looks like I’m some kind of freak”). Já em “Givin’ Up” é uma desilusão ter a voz de 21 Savage e não o ouvir a fazer uma única referência ao super-herói. Mas uma das faixas onde o tema e a voz combinam melhor do que preto, vermelho e branco é a “Hummingbird”.

Iniciando com uma amostra acelerada e repetitiva de “Tonight You Belong To Me“, de Patience and Prudence, James Blake traz na letra e no canto uma história de amor não correspondido. Para a audiência que já viu “Spider-Man: Across the Spider-Verse” é fácil de associar esta música à relação entre Miles e Gwen Stacy, mas o fator que a torna ainda mais fantástica é o de atingir verdades universais. Qualquer um com o mínimo de experiência nos desgostos amorosos consegue ouvir a voz de Blake e largar umas lágrimas (“I can never unsee / What you’ve shown me / Stay on, stay on with me”).

Nesta sequela são várias as emoções que percorrem o multiverso cativante, desde drama a humor e tragédia. Metro Boomin foi uma escolha acertada para captar todos estes elementos que compõem um dos melhores filmes de animação de 2023. Não há faixas que cheguem aos pés da “Hero” dos Nickelback em “Spider-Man” (2002), ou de “Sunflower”, de Post Malone. Haverá até algumas músicas a não escapar às críticas por se encontrarem longe do contexto cinematográfico. Ainda assim, alguns fios da teia são mais fortes do que outros e são esses que contribuem para a popularidade e qualidade da trilha sonora. São esses que realçam o talento e o progresso de Metro.