Com 40 anos, os escuteiros de Felgueiras procuram continuar a afirmar os seus valores num panorama social mais complexo e global.

No dia 12 de agosto, comemora-se o Dia Internacional da Juventude. Esta data permite promover o papel dos jovens na sociedade e destacar o seu contributo para um desenvolvimento sustentável.

Neste contexto, Marta Martins, uma jovem escuteira de Felgueiras, considera que “os escuteiros são uma porta aberta para estar em contacto com a natureza, conviver com outras pessoas, aprender coisas novas e ter novas experiências”. Além disso, revela que esta “irmandade” não é um desafio, mas sim, uma mais valia e “um progresso que permite trabalhar a parte física, afetiva, carácter, espiritual, intelectual e social”. A mesma é composta atualmente, por 65 jovens divididos em quatro secções, nomeadamente “os lobitos dos 6 aos 10, os exploradores dos 10 aos 14, os pioneiros dos 14 aos 18 e os caminheiros dos 18 aos 22 anos”.

Escuteira Felgueiras

Marta Martins

Assim, Marta, escuteira há 11 anos no agrupamento da freguesia de Margaride, esclarece que cada um desempenha devidamente as suas funções em prol do seu crescimento enquanto cidadão ativo e participativo na sociedade. Refere que “pessoalmente os escuteiros ajudaram-me a ser menos tímida porque em qualquer atividade que nós participamos, conhecemos pessoas, comunicamos e criamos amizades que ficam durante todo o nosso percurso”. Nesta medida, os diversos acampamentos e as outras atividades que compõem o ano escutista são formas de colocar os escuteiros à prova, de modo a ultrapassarem as suas barreiras.

Relativamente ao futuro do escutismo em Felgueiras, a escuteira, apesar de ter experienciado inúmeras atividades marcantes, não conseguiu esconder o seu entusiasmo e as suas expectativas para o início do novo ano escutista: “Vamos iniciar um novo ano cheio de novas atividades, continuando a acolher novas pessoas”. O mesmo vai ser direcionado para “dar apoio aos outros jovens, como para ajudar na parte da sustentabilidade porque o aquecimento global é uma coisa que está a acontecer e, temos como exemplo, este verão que temos de um lado cheias e do outro ondas de calor”. Deste modo, os escuteiros vão ter uma voz importante para sensibilizar a sociedade, como antecipa a jovem escuteira.

A partir da frase que marcou a celebração dos 40 anos do agrupamento, a jovem aponta para a principal filosofia do escutismo, e ainda, lança o convite aos futuros escuteiros: ” “Sim, faz-te escuteiro, faz ECO” o “sim” é para as pessoas aderirem com o sentido de voluntário de forma a aprender e melhorar; o “faz-te escuteiro” é crescer, aprender a fazê-lo com os escuteiros e o “faz eco” não é só fazer barulho, mas também uma forma de sensibilizar para a parte da sustentabilidade e ecologia que atualmente é muito importante” ” . Com tudo isto, “tenho a certeza que não se vão arrepender”.