Filipe Karlsson tem aberto a porta da sua casa a cada música que lança. Ansiosos por um primeiro trabalho de longa duração do artista, os fãs entram agora num dos singles do álbum, previsto para 2024. Um álbum, uma casa, dois portões e dois singles que já dão dicas para o que aí vem.

Smooth FM

Há cinco meses, o artista lançou a música “Horas” , a primeira amostra daquele que será o seu primeiro álbum, fora os EPs. Um som disco-pop que expande a estética já apresentada no EP Mãos Atadas (2022), absorvendo cada vez mais elementos eletrónicos.

Agora lança o single “1 Casa 2 Portões”, com a colaboração do comediante Pedro Teixeira da Mota na produção da letra, música e vídeo. De acordo com o cantor, a parceria surgiu de forma espontânea. Foi em visitas ao estúdio que Teixeira da Mota ouviu a produção de Filipe Karlsson e o clique foi natural.

A faixa, lançada no início do mês, tem um ritmo alegre, contagiante e descontraído que faz jus à letra (“Tenho mais com que me preocupar”). Retrata uma correria relaxada e inspiradora, olhando para “a vida no presente” e “sem complicações”. Uma música que traz aos ouvintes uma onda de energia positiva com influência dos anos 70/80, cheia de groove e despretensiosa.

O videoclipe não foge à energia da canção e da própria imagem do artista. É um contraste entre a agitação da cidade, o estado de espírito de Karlsson e a tranquilidade do campo. Filipe Karlsson tem-se dado a conhecer como uma das figuras mais singulares da atual música portuguesa. O estilo retro, o sentido de humor desconcertante e a representação de um mundo simultaneamente real e fictício percorrem este caminho com ele.

Foi em 2020 que se estreou, em plena pandemia, com Teorias do Bem Estar, que veio mesmo a calhar. No mesmo ano também lançou Modéstia à Parte e músicas como “Razão”, para mim, o seu melhor som. Em 2022 edita Mãos Atadas que o levou a uma série de salas esgotadas, como o Altice Arena, o Teatro Maria Matos e a Casa da Música.

Karlsson já explicou em várias entrevistas que, até agora, não fez um álbum porque não sentia necessidade e vontade. Não quer estar a meter músicas onde elas não fazem sentido e, por isso, prefere um EP curto mas com significado. No dia 24 de novembro, Filipe Karlsson atuou no Coliseu dos Recreios, no âmbito do Cartaz do Super Bock em Stock, onde teve oportunidade de estrear ao vivo aquele que será o seu novo êxito.