Em cima

Ricardo Horta

O capitão dos Gverreiros do Minho esteve em evidência durante toda a partida, este jogador foi o potenciador do empate da sua equipa ainda cedo no encontro. Quando o SC Braga esteve em baixo, o internacional português trouxe-o de novo à tona, sendo um verdadeiro general no comando do conjunto minhoto. Este foi escolhido como homem do jogo.

João Moutinho

O médio foi um elemento chave na ligação entre o setor defensivo e ofensivo, originando jogadas de potencial perigo. O atleta participou em muitas recuperações de bola do SC Braga, tendo sido peça chave para a turma de Artur Jorge.

Cassiano

O avançado dos canarinhos criou visíveis dificuldades à defensiva adversária, principalmente na primeira parte. Este obteve um penálti para a sua equipa ainda cedo no jogo, conseguindo convertê-lo de forma exímia e mudando o paradigma criado no esquema tático do adversário.

Daniel Figueira

Apesar do golo sofrido, no qual não teve demérito, acabou por manter vivo o sonho do GD Estoril Praia durante toda a partida, tendo feito duas defesas importantes para manter o resultado empatado até aos penáltis.

Em baixo

Abel Ruiz

Mesmo tendo sido peça chave na meia-final, o espanhol acabou por não “comparecer” ao encontro quando a equipa necessitou do seu contributo, acabando por passar completamente ao lado do jogo.

Rafik Guitane

O extremo acabou por não ter grande influência nas jogadas de perigo da turma de Vasco Seabra, tendo as suas iniciativas, durante o tempo que esteve em campo, sido em vão e sem qualquer relevância direta no jogo.

Análise ao desempenho de Fábio Veríssimo

Minuto 3 – Ponto Negativo: O árbitro da partida assinalou inicialmente falta ofensiva de Cassiano sobre José Fonte. Quando chamado pelo VAR reverteu a sua decisão para pontapé de penalti, tomando a decisão correta de assinalar penálti e cartão amarelo para Fonte.

Minuto 22 – Ponto Negativo: Fábio Veríssimo mostrou o cartão amarelo a Álvaro Djaló, por suposto pisão em Tiago Araújo. Quando revemos as imagens, é visível um pequeno toque insuficiente para falta, não sendo cartão amarelo para o avançado do SC Braga.

Minuto 62 – Ponto Negativo: Amarelo para Rafik Guitane por falta sobre Zalazar. O jogador, Pedro Álvaro, deitou-se no chão por queixas musculares. Aquando desse momento, era possível a paragem do jogo para assistir o jogador, visto que a bola estava ainda em zona recuada do terreno. Na sequência desse acontecimento, a mostragem da sanção disciplinar a Guitane é errada, pois é possível observar que, apesar da intensidade na disputa de bola, o jogador do GD Estoril Praia apenas toca no esférico.

Minuto 73 – Ponto Negativo: Segundo cartão amarelo por mostrar a Mateus Fernandes. O médio dos canarinhos entrou de forma negligente sobre João Moutinho, sendo que já tinha o cartão amarelo.

Minuto 83 – Ponto Positivo: Possível mão na bola de Paulo Oliveira dentro da sua grande área. Apesar dos protestos dos jogadores adversários, a bola apenas ressalta no chão e posteriormente no braço do defesa, não havendo motivo para assinalar qualquer infração. O árbitro fez bem em deixar a bola rolar.

Minuto 84 – Ponto Positivo: Possível penálti por falta sobre Roger Fernandes. Wagner Pina usou bem o corpo para ganhar o lance sobre Roger, não existindo qualquer infração às leis de jogo. Boa decisão de campo em deixar jogar.

Minuto 90+3 – Ponto Negativo: Cartão amarelo por mostrar a Serdar Saatci. O defesa rasteirou o adversário sem qualquer tentativa de chegar à bola, cortando, por sua vez, uma transição rápida do GD Estoril Praia.

Comentário Geral – O juiz da partida foi um pouco inconsistente nas suas decisões, tanto nas decisões disciplinares, como aquando do assinalar de faltas, principalmente em momentos cruciais do jogo, como o penálti aos três minutos. Por outro lado, com as suas decisões, Fábio Veríssimo conseguiu controlar o jogo e as equipas do início ao fim, promovendo um bom espetáculo.

Veja, aqui, as incidências desta final.