O programa decorre durante os dias 30 e 31 de janeiro e tem por objetivo destacar o departamento de investigação da universidade

O “Research & Innovation Open Days”, que toma lugar no campus de Gualtar, recebe palestrantes dos mais de 30 centros de investigação da Universidade do Minho, 13 laboratórios colaborativos, 9 laboratórios associados, 12 unidades de interface e 48 spin-offs. A pauta principal do evento é demonstrar a inovação tecnológica e investigativa da academia.

O vice-reitor para a Investigação e Inovação, Eugénio Campos Ferreira, comunicou à RUM que “há um painel previsto precisamente para discutir as questões da nossa participação no Roteiro Nacional de Infraestruturas onde temos também alguma expressão e que também sofreu alguma descontinuidade no financiamento”. A abertura decorreu esta manhã pelas 9h15 com a participação do reitor Rui Vieira de Castro e Eugénio Campos Ferreira, com um painel com três dos vencedores da bolsa do Conselho Europeu de Investigação: Ana João Rodrigues, Paulo Lourenço e Alexandra Marques.

Durante o período da tarde jovens cientistas vão divulgar os seus projetos relacionados aos objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. Além disso, este dia de abertura conta a participação de Rui Munhá, pivô para questões europeias na Fundação para a Ciência e a Tecnologia e os investigadores José Manuel Méijome, do Centro de Física, e José Campos e Matos, do Instituto para a Sustentabilidade e Inovação em Engenharia de Estruturas.

O segundo e último dia estreia com o editor do “EMBO Journal”, William Teale, e a delegada económica da Embaixada dos EUA em Lisboa, Sona Ramesh num debate sobre processos de publicação científica e integridade. Decorre, simultaneamente, um painel que discute a participação da UMinho na Rede Nacional de Infraestruturas Científicas, como o TERM Research Hub , o MIRRI, o Biodata.pt, o OPENSCREEN e o DataLab. A 1º edição da iniciativa tem previsão para encerramento pelas 12h00 com um discurso do vice-reitor Eugénio Campos Ferreira e da pró-reitora para os Projetos Científicos e Gestão da Investigação, Sandra Paiva.

A Universidade do Minho tem dinamizados mais de 600 projetos científicos envolvendo cerca de 230 milhões de euros e 3000 investigadores e docentes. É também líder nacional em patentes com 65 cientistas no grupo dos 2% mais citados do mundo, além de deter o principal supercomputador português no campus de Azurém.